Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Amor & guerra (2)

por cheia, em 18.03.21

Amor & guerra (2)

Barbara tentou superar a partida do militar, que a tinha trazido de volta à vida. O negócio começava a compor-se, tinha necessidade de alguém que a ajudasse, uma vez que a barriga crescia e ficava redondinha. Contratou uma empregada, que se tornaria o seu braço direito

Os militares continuavam a chegar a Angola, e a subi-la em direção ao Norte. Ficavam, sempre, alguns dias na Vila da Barbara, por se tratar dum local estratégico, onde aproveitavam para definirem a estratégia e para onde seguir, porque a mobilidade dos guerrilheiros fazia com que tivessem, constantemente, de mudar de estratégia e rumo

O estabelecimento da Barbara, por ser o único na vila, era muito visitado, não só pelos residentes, mas também pelos militares, que tentavam entabular conversa e seduzi-la com promessas, que ela já conhecia. Mas ela só pensava no seu Carlos, o pai do bebé que crescia dentro dela

 

O Carlos, quando chegou a Lunada, escreveu para a namorada, informando-a do SPM, para poderem contatar um com o outro, mas não recebeu notícias dela, porque no início da guerra, a logística estava longe de ser implementada. Quase que se esqueceu dela, porque os horrores que enfrentou não davam espaço para pensar em mais nada. Foram muitas e grandes as atrocidades cometidas de parte a parte

 

Miquelina desesperava por não receber notícias dele. Tinha-o informado de que estava grávida, que tinha voltado para a casa dos pais, para que a ajudassem a criar a criança, uma vez que não podia continuar a trabalhar em Lisboa. Disse-lhe, também, que os pais estavam muito felizes por esperarem um neto ou uma neta

Pela sua cabeça passavam tantos pensamentos: “ será que morreu, que está ferido, que não quer assumir a paternidade do bebé, qual a razão por que não responde?” 

Estava angustiada, quantos pais não querem saber dos filhos, ou que nem sabem que eles existem, ao contrário das mães, que ficam atadas a eles, para toda a vida!

E perguntava-se, por que razão tinha fraquejado no último momento, se, sempre, tinha sido forte, se às muitas pressões para que fizessem sexo, tinha dito não?

O que a animava era a alegria dos pais, que ao verem a barriga a crescer, contavam os meses e os dias que faltavam para verem a neta ou neto. Para eles, fosse o que fosse, era bem-vindo.

Continua

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:57


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D