Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Primeiro de Maio

por cheia, em 01.05.24

Dia do trabalhador, 2024

 

Esquece a dor

Beija a tua flor

No dia do trabalhador

Esquece o teu labor

Beija o teu amor

Oferece-lhe uma flor

O dia é teu

Homenageemos quem a vida deu

Para que tenhamos um dia

Para homenagear quem trabalha

Quem tudo produz

Que não é valorizado

Do teu esforço só te dão um pequeno bocado

A maior parte fica para o patronato

O capital tem de ser bem renumerado

Para o dividendo ser elevado

O acionista é o colaborador destacado

De escravo passaste a trabalhador

Depois, foste promovido a colaborador

Desde que estejas, sempre, disponível

De dia ou de noite, estejas ou não de férias

Deixaste de ter vida familiar

Passaste a ser mais uma peça da empresa

Quanto maior for a disponibilidade, maior será a sua grandeza

Tudo medidas para acabar com a pobreza

Tudo medidas para uma melhor distribuição da riqueza.

 

José Silva Costa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:48

´Poesia!

por cheia, em 21.03.24

Poesia!

 

Hoje é o teu dia, luz no poente, euforia

Flores, perfumes, louvores, maioria

Todos, por todos os lados, em romaria

Enchem os lábios, com versos, sem autoria

Num só dia, condensam toda a tua alforria

E, nos outros dias, fazem de ti zombaria

Dizendo: “ somos um país de poetas”

Como se isso fosse a causa da nossa avareza

Do nosso estado de permanente tristeza

De não conseguirmos passar da vil pobreza.

 

José Silva Costa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:11

Natal

por cheia, em 25.12.23

Natal

 

Neste dia, para todos, saúde paz e alegria

Chegou o mais radioso e longo dia

Para todas as crianças do Mundo, um dia de magia

Com ou sem Pai Natal, ninguém é indiferente a este dia

Não há coração que não sinta alegria, quando faz uma boa ação

Vamos dar as mãos e fazer um grande cordão, para celebrar esta ocasião

Cada dia tem de ter uma celebração: olhar para o próximo, como irmão

Todos os dias houve o teu coração

Não descanses enquanto vires pessoas a dormirem na rua, no chão

A pobreza não tem razão de ser

Todos necessitamos de pão

O Natal é um dia de amor

Mas não te esqueças de quem não tem um lar

Para dividir com o seu amor

Porque o Mundo está um horror

Há uma grande desumanização

Já ninguém fala, nem pelo telefone

Era tão bom ouvir as vozes

Agora, só se envia e recebe mensagens

Para lermos, no frio e mudo telemóvel

Para muitos a única companhia.

 

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:02

Casa para todos

por cheia, em 18.12.23

Natal

Dias de solidariedade

Para as crianças, de muita ansiedade

Esperam prendas de muita amizade

Tão importantes para os de tenra idade

Casas sem chaminé, na cidade

Não há onde colocar o sapatinho

Nem espaço para o Pai Natal descer

Assim, as crianças vão, mais cedo, ficar a saber

Que não é o Pai Natal, que traz as prendas

Senhores arquitetos tenham em atenção esta questão

Não aceitem desenhos, que não tenham uma bonita habitação

Com todas as condições de habitabilidade

Onde possamos receber a visita do Pai Natal

Uma habitação com todas as comodidades

Onde possam viver pessoas de todas as idades

Sei que é pedir muito, tanto aos arquitetos, como ao Pai Natal

Mas, não podemos ser pobres a pedir

O meu pedido ao Pai Natal, para este ano é : casa para todos

Acho que não é pedir de mais, há quem tenha duas, três ou mais

Estamos, num país muito solidário

Portanto, vamos lá reduzir as desigualdades

Diminuir a pobreza, que está em quase cinquenta por cento

Devia de nos envergonhar

Mas praticamos a caridade

 Como se isso nos desculpasse

Mas, não! Fico revoltado, quando oiço um rapaz, que se esforçou, para tirar um curso, conseguiu entrar para o Instituto Superior Técnico, em Lisboa.

Mas, infelizmente, não chegou a matricular-se, porque os pais não podiam, o quarto, pagar.

Feliz natal e próspero Ano Novo.

José Silva Costa  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:54

Celebremos Agosto

por cheia, em 31.07.23

Celebremos Agosto

 

Celebremos a chegada de Agosto

Todos os anos recebemos agosto, com gosto

Um mês com um bonito rosto

Por ser o mês das férias, dos encontros e reencontros

Para a farra, todos, estamos, sempre, prontos

Cada terra recebe os seus filhos, com festas e romarias

Este, sempre, foi um país de muita emigração

Uma dura luta causada pela separação

De quem não se sujeita à pobreza da Nação

E procura noutro local um melhor pão

Mesmo que isso lhes traga tanta insatisfação

Tantas canseiras, que parece uma maldição

Sempre na esperança de um dia voltar de vez

Para a bonita casa que, na sua terra, fez

Mas dela só se goza, uma vez por ano, um mês

Alguns, erradamente, não falam com os filhos em português

Quando vêm de férias, não conseguem falar com os avós

Netos e avós sem se conseguirem entender sentem-se sós

Os filhos, normalmente, ficam onde cresceram, estudaram e casaram

Os pais ficam divididos entre ascendentes e descendentes

Depois de reformados, passam os dias de cá para lá, de lá para cá

Enlatados em autocarros apinhados, nas autoestradas da Europa

Sem condições de higiene e de descanso

Um preço demasiado alto para uma reforma mais folgada

Mas, a Europa, está, cada vez, mais integrada

Ainda, um dia, poderá ser uma grande comunidade federada

Tudo o que seja para que os povos vivam melhor e mais felizes será bem-vindo

Em vez de nos guerrearmos, vamo-nos abraçar, mas com mais igualdade!

Porque, ” toda a gente é pessoa”, ninguém é feliz, se viver rodeado de esfomeados a querem a sua casa assaltar!

  Bem-vindo Agosto!

Até para o ano, Julho!

José Silva Costa

  

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:58

Ameaças e Censura

por cheia, em 11.07.23

 Os censores estão de volta.

  

 

“Vais ter de levar comigo, se acontecerem algumas coisas menos agradáveis para ti, poderei ter sido eu”: a ameaça contra Joel Neto

“Ah e só mais uma coisa: se acontecerem algumas coisas menos agradáveis para ti, poderei ter sido eu”: foi esta a mensagem enviada pelo Messenger do Facebook que levou o escritor Joel Neto a apresentar uma queixa por ameaça contra António Bulcão, chefe de Gabinete da Secretaria Regional da Educação dos Açores.

 (Expresso de 4/7/2023)

 

 O escritor Joel Neto apresentou uma queixa na justiça contra o chefe de Gabinete da secretária regional da Educação dos Açores. Em causa, estão insultos e ameaças escritas enviadas ao escritor que diz temer pela sua segurança e da família.

A história de Jénifer ou a Princesa da França traça um retrato da pobreza nos Açores. O livro e as opiniões públicas de Joel Neto terão sido o gatilho para o que chegou às mãos e aos olhos do escritor açoriano.

Na queixa, consultada pela SIC, entregue no Departamento de Investigação e Ação Penal de Angra do Heroísmo, Joel Neto diz recear pela sua segurança e da sua família à conta de "uma série de mensagens hostis" com uma "longa lista de acusações e insultos, concretizada com um ameaça expressa".

Para além disso, escreve que a denúncia serve também para "defender o exercício da opinião livre nos Açores".

À SIC, o escritor confirma a queixa, mas prefere não comentar o caso.

Tentámos contactar António Bulcão, chefe de Gabinete de Sofia Ribeiro, mas sem sucesso e a Secretaria Regional da Educação e dos Assuntos Culturais também recusou qualquer declaração sobre o caso.

Fonte do gabinete avança à SIC que não prevê substituir o chefe de gabinete alvo da denúncia na justiça.

(Sic Notícias 4/7/2023)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:57

43,5% de pobres!

por cheia, em 25.04.22

25, de Abril de 2022

 

Depois de 48 anos de democracia, esperávamos ter um país mais desenvolvido

Continuamos com as inaceitáveis desigualdades, em que uns tem tudo e outros não têm nada

Um litoral superlotado e um interior desertificado, deserdado, abandonado, desaproveitado

Onde não chegam as telecomunicações: as autoestradas do presente e do futuro

Neste quase meio século ainda não apareceu um governante capaz de derrubar o muro

Só governam para as sondagens e para o presente, não têm ambição, nem solução para o dia duro

A pobreza continua a condenar-nos à tristeza. Antes de qualquer transferência social, em 2020, tínhamos 4,48 milhões de portugueses (43,5%) em risco de pobreza

Quase metade da população em risco de pobreza: é muita pobreza!

Todos os governantes, que tiveram responsabilidades nestes resultados, devem sentir-se muito envergonhados

Quase todos os governantes, nos discursos do ato de posse, dizem que vão ter em atenção os mais desfavorecidos, mas nunca mais se lembram deles

Nos momentos de reconhecimento dos méritos nunca aparece um pedreiro, um carpinteiro, um mecânico, um varredor, um condutor  …………….., só  os engenheiros e  doutores é que têm mérito

Um país, cada vez mais desequilibrado, onde os ricos estão mais ricos e os pobres mais pobres

E, isso é revoltante, criaram o Ministério da Coesão, que não passa de um chavão, mais uma ilusão, para enfeitar a governação

Os Municípios ricos estão a criar transportes públicos gratuitos, a equipar as escolas com novas tecnologias, com quadros interativos, enquanto as escolas, dos outros, continuam com os quadros pretos e sem transportes públicos gratuitos

É esta a regionalização, que o referendo reprovou, mas que este Governo está a implementar à força. Agora, sem a colaboração de qualquer outro partido, devido à maioria absoluta

Política e futebol, uma mistura que gera corrupção, se faltassem exemplos, bastava o de Luís Filipe Vieira, cuja falência das suas empresas já nos custou 290 milhões de euros, através do fundo de resolução do BES

Um país, onde o futebol é mais importante que a educação. Quantos professores veem o seu mérito reconhecido?

Ainda não foi desta que Portugal se tornou num país solidário e desenvolvido

Nem com tantos milagres conseguimos vencer o castigo.

José Silva Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Vírus e vandalismo

por cheia, em 12.06.20

Junho de 2020

Seis meses de pandemia, provocada pelo covid-19

O Mundo já estava conturbado

Mas, agora, está irreconhecível

Ficou tudo parado

Felizmente ou infelizmente, nem todos, ainda, se aperceberam da catástrofe

O constante anúncio de despedimentos tira-me o sono

Tal com aconteceu em 2008

Em que a ganância, que alimentou as pirâmides, na ilusão de alguns, de que todos podiam enriquecer facilmente, levou o Mundo à falência

Desta vez foi um vírus que, ao provocar a morte, o medo, o desespero, nos levou ente-queridos, abraços, beijos, convívios, empregos, empresas, a vida

O que devemos fazer para sair deste confinamento?

Ninguém sabe, porque tudo isto é novo

Mas uma coisa é certa, temos de respeitar a Natureza

Temos de tentar reduzir a pobreza

A tendência será reduzir o desperdício

O que vai fazer com que tenham de converter algumas empresas

Com esta pandemia, a alimentação ganhou outra atenção

A agricultura mais destaque e dimensão

É na terra e no mar que, o que comemos, nasce

Se todos fomos afetados!

Que dizer dos refugiados

Em campos superlotados

Crianças, mulheres, homens amontoados

Um WC para uma centena de pessoas!

Onde as mulheres estão, sempre, em perigo

Com receio de serem violadas

À noite, preferem usar fraldas, a saírem das suas débeis muradas

Estamos a assistir a coisas inusitadas

Os novos inquisidores querem apagar a História

Derrubando e queimando estátuas

Como se isso revertesse os erros cometidos

Quantos dos que hoje gritam contra o colonialismo, beneficiam ou beneficiaram com ele?

Não se emendam erros, destruindo o património!

Todos ficamos a perder.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:55

As Mães!

por cheia, em 02.10.19

As Mães!

Tanta gente preocupada com a falta de nascimentos!

Mas, ninguém preocupado com a falta de creches!

Hoje, ao contrário do que aconteceu noutros séculos

Quase todas as mulheres para além de trabalharem em casa, tem necessidade de ter um, ou mais empregos

E, ainda, por cima, algumas ficam, sozinhas, com os filhos nos braços

Porque são quase sempre elas que ficam com a guarda dor filhos, quando o casal se desentende

Não tendo nenhum familiar a quem os deixar, uma ama ou creche, têm de procurar

Como o Estado não assegura creches, para todos, ao privado têm de recorrer

Na Amadora, às portas de Lisboa, mais uma creche, ilegal, foi fechada

As mães disseram que sabiam que a creche era ilegal, mas não têm alternativa

A creche funcionava das 5 às 23 horas!

Há senhoras que começam a trabalhar muito cedo, principalmente nas limpezas!

Uma das mães disse que tinha de ter dois empregos, para poder sobreviver!

Este é o drama de um país pobre, que sonha ser rico

Que desbarata o dinheiro em coisas inúteis

Não tendo como prioridade as infraestruturas

Ainda temos dois dias, para questionar os partidos, que querem os nossos votos, para sabermos o que pensam sobre estes problemas, que tanto preocupam os pais!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:52


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D