Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Princesa

por cheia, em 14.09.21

Colares

 

Princesa da serra e do mar

Com os seus palácios e altares

No perfume dos pomares

É bela, é uma flor

 

É inebriante o seu néctar

Um vinho das profundezas da terra

Um vinho digno de um altar

O melhor que há, para celebrar

 

No verde da serra e no azul do mar

A noite, o sono e a lua vão-se deitar

Na esperança de que com o nascer do sol irão acordar

Para poderem apreciar o sabor a mar

 

Quando o sol começa a subir a encosta

A beijar a serra, Colares fica prisioneira

Uma bela saloia, muito namoradeira

Sonha com um príncipe, mas contínua solteira

 

Nos vapores do vinho ramisco

Viaja até à Praia das Maçãs

No agosto das multidões

Apanha o elétrico e volta para casa.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:42

O amor

por cheia, em 02.09.21

O amor

 

O teu jardim tem bonitas rosas!

Mas tu és a mais bela e perfumada

Quem me dera ser o jardineiro

Do teu bonito canteiro

Poder tratar delas o dia inteiro

Para ficarem ainda mais belas

Na esperança de que ficasses muito agradada

Sei que nos separa uma grande escada

Mas, se conseguisse abrir o teu coração

Poderia ser que descesses do teu pedestal

Me viesses cumprimentar: apertar a mão

Para sentires o bater do meu coração

Ver nos meus olhos quanto te amo

Dizer-te porque passo os dias a espreitar as tuas rosas

Como me alimento, apenas, do seu perfume

Tudo, só para ver se te vejo

Se advinhas o meu desejo

Ver de perto os teus olhos da cor do mel

Esperar o tempo que for necessário

 Para um dia contigo namorar

Beijar os teus rubros lábios

Poder ficar, para sempre, contigo

 

José  Silva Costa

 

 

 

     

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:56

Juventude

por cheia, em 19.08.21

Juventude

 

Verdes anos

Primaveras floridas

Perfume de jovens vidas

Os olhos são avenidas

Por onde passam as cantigas

Ponto de encontro dos namorados

Nos dias perfumados

Com minutos cronometrados

Porque os beijos são apertados

Os dias não estão parados

Mal nascem, já estão acabados

São tão curtos para os namorados

Que têm de lidar com eles com todos os cuidados

Para não quebrarem o encanto dos amados

Nos mal-entendidos apressados

Que tropeçam na pressa do tempo

De quem julga ter respostas

Para todas as questões

Como se o mundo fosse simples

E não tivesse ambições

Cheias de contradições.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:54

Em tempo de pandemia!

por cheia, em 10.07.20

Julho 2020

 

 

 

Um Verão quente no Interior, mas fresco no Litoral Ocidental

Com a pandemia, sempre, a ameaçar

Embebecidos, contemplamos a Lua

Neste Verão não há barulho, na rua

Há um doce silêncio, que nem parece Verão

Antes de adormecer, nas ondas dos teus cabelos, deito o meu olhar

Respirar o teu perfume, faz-me sonhar

Sozinhos, como no início!

Com os anos passados e os filhos criados

Temos a ilusão que voltámos aos tempos de namorados

Mas, o espelho desmente tudo o que tínhamos arquitetado

Os corpos, os rostos, os cabelos estão desfigurados

Como é que podemos ser os mesmos, dos vinte anos! Depois de tantos, passados

Acho que foram as nossas netas e neto, que guardaram os nossos rostos, dos vinte anos

Para os mostrarem aos nossos bisnetos, que nos vão ver como se fossemos, sempre, jovens

Enquanto vão vendo os seus pais a envelhecer

Como é bom, assim, ver o entardecer!

E, ao teu lado, adormecer.

 

 

José Silva Costa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:14

Primavera

por cheia, em 20.03.20

Primavera, 20/03/20

Chegou a Primavera

Ficou em casa

Sem campos floridos, nem perfumes

Mas, solidária!

Trouxe-nos água

Para podermos continuar a lavar as mãos

A lembrar-nos que os tempos mudaram

Que estamos todos no mesmo barco

Que nunca estivemos tão ligados

E, o que nos liga não escolhe entre ricos e pobres

Que não se justifica, uns terem tudo e os outros só fome

Que chegou a hora de respeitar a Natureza

Não a destruindo com a força rude da ganancia

Numa exploração desenfreada, matando tudo, não deixando nada

Numa ambição desmesurada, que nunca está saciada

Aproveitamos este interregno, para mudar de rumo

Construir um novo futuro

Aproveitando os novos recursos

Para aprender e trabalhar

A partir de outros locais

Onde a presença não seja vital

Para os transportes não sobrecarregar

Um novo estilo de vida temos de inventar.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:57

Flores

por cheia, em 08.03.20

Mulher

 

Mulher! Enigma difícil de ler

Deusa do meu saber

O teu ventre me fez nascer

Magia do teu poder

Como te agradecer!

Tu és fogo, terra, água

Sol a amanhecer

Rio a correr

Colo de saber

A amamentar a vida

Perfume que me inebria os sentidos

Lume que me queima as entranhas

Companheira

Flor dos nossos frutos

Porto de abrigo

Onde ancoramos o tempo

Tu és o brilho do sol

Suave e doce

Como a Primavera em flor

Para todas as mulheres

Todas as rosas.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27

Rosas!

por cheia, em 11.02.20

Rosas de Maio

 

Rosas de Maio

Tanto amar

Ventos do sul

Tanta dor

 

Tanto perfume

No chão, derramado

Por rosas de fogo

No Alentejo, queimado

 

Rosas de Maio, por que chorais?

Se todos os anos voltais

Com novos perfumes, mais …..

Só, as humanas não voltam mais!

 

Rosas de ventre inchado

Trarão ao mundo

Tanto bebé inacabado

Que, com leite e ternura, será criado

 

Rosas, por que me deixais?

Triste, sozinho, abandonado

À espera do dia prometido

O dia perfumado

 

Rosas, rosas de Maio

O mês mais perfumado

Por que não vindes, todos os meses?

Trazer-me novas e perfumes do meu amor.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:22

Flores

por cheia, em 17.03.19

Flores

A encantadora Primavera

Quanto perfume encerra!

Nas flores de todas as cores

As abelhas roubam beijos

Saltitando de flor em flor

Como se fossem apaixonados namorados

Com as patas carregadas de pólen perfumado

Vão acumulando muito trabalho

Para manterem a colmeia bem perfumada

Trabalhadoras incansáveis

Polinizadoras amáveis

Fazem um trabalho tão importante

Levar o pólen dos estames para o carpelo

Provocando a fecundação numa flor

Mas, nós se lhes agradecemos o mel!

 

José Silva Costa

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D