Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


...

por cheia, em 25.04.21

25, de Abril

Madrugada determinada, há muito sonhada, que mudou o Mundo

Povos oprimidos, depois de cinco séculos, assumiram os seus destinos

Mas, não há parto, que não seja doloroso, só suavizado pela alegria de um novo ser

 Cortar o cordão umbilical, velho de séculos, foi matar muito jovem, foi muita carne para canhão

Foram treze anos de guerra, de atrocidades sem nome, por pura insanidade

Cortar um cordão umbilical com catanas, granadas, balas, minas, e no céu, para além dos aviões, helicópteros com canhões

Mães sem filhos, mulheres sem maridos, namoradas sem namorados, pais sem filhos, filhos sem pais

Quão difícil é criar e educar uma criança, fará uma nação!

Mas, há sonhadores, que acham, que depois do sangrento parto, ainda podíamos impor as nossas leis

Pura ilusão, depois de armas na mão, ninguém aceitaria essa decisão

Os que beneficiaram da opressão achavam-se no direito de saírem da contenda, sem nenhum beliscão  

De um lado e doutro pagámos muito cara a separação, que era inevitável

Que, só uma parte não queria, mas que todo o mundo exigia, incluindo o Papa, que já tinha recebido os dirigentes dos movimentos, que lutavam pela independência

Podíamos ter aprendido, com os que já tinha feito a descolonização, mas, não! Diziam-nos que eramos diferentes, que podíamos oprimir os outros povos, durante mais séculos, eternamente!

Há quem queira diminuir este acontecimento, comparando-o ao 25 de Novembro

Mas não há comparação, porque o 25 de Abril teve repercussões mundiais

Mais meia dúzia de novas nações, em dois continentes, muitos milhões de corações

Que vibraram de alegria, mesmo que um país não se crie, num dia

Muito obrigado a todos os que contribuíram, em especial aos Capitães, para um inesquecível dia.

 

José Silva Costa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:12

Amor & guerra (6)

por cheia, em 27.03.21

Amor & guerra (6)

A Bárbara escolhera o nome para a bebé, antes do parto. Mesmo sem ter a certeza, acreditava que era uma menina, e que se chamaria Sara. Infelizmente, não tinha com quem opinar sobre o nome da filha. Sem avós maternos, sem saber onde estava o pai e os avós paternos, estavam, as duas, entregues à sua sorte

Estava confiante que, mais tarde ou mais cedo, encontraria um companheiro para a ajudar a criar a filha. Com tantos militares a passarem pelo seu estabelecimento, quando a sua vila fosse contemplada com uma companhia, o que só aconteceria quando os militares deixassem de andar, numa correria de um lado para o outro, como quem anda a apagar fogos, é que teriam direito a essa regalia. Então, um militar, por ela, se encantaria

Entretanto, o Carlos já tinha tido oportunidade de responder à namorada, dizendo-lhe que estava de acordo que o menino se chamasse Miguel

A Miquelina ficou muito feliz por o Carlos concordar com ela, fazendo com que os avós maternos, também, tenham ficado orgulhosos por o neto ter o nome do avô materno

A Bárbara tinha tido um dia muito difícil, sentia muito peso sobre a bexiga, quando fecharam o estabelecimento, disse às empregadas que devia estar por poucas horas

Foram para casa, preparar tudo para o parto. As três estavam muito nervosas, pareciam que estavam a adivinhar que nem tudo ia correr bem

Depois de muitas horas em trabalho de parto, a bebé não nascia. A Bárbara estava exausta, as empregadas não sabiam o que fazer, nunca lhes tinha acontecido um parto assim!

Desesperadas, uma disse que tinha de ser levada para a Missão, porque as freiras estavam habituadas a partos difíceis, os únicos para que eram procuradas

Sem saberem, a quem recorrer, para a levar, lembraram-se dos militares. Uma foi a correr, ao quartel, pedir ajuda. O oficial de dia ordenou que levassem a Bárbara, imediatamente, à Missão, e que fosse acompanhada pelo Furriel enfermeiro

Quando os militares regressaram, as empregadas, da Bárbara, perguntaram-lhes como é que ela estava, ao que responderam, que até a entregarem, às freiras, não tinha acontecido nada de novo

Mas, quem nunca mais a esqueceu foi o Januário: o furriel enfermeiro. Todos os dias procurava saber notícias. Ao ponto de perguntar a si mesmo: “ estarei apaixonado, ou será que só tenho pena dela?”

Aquele brilhozinho nos olhos e o bater do coração, não enganavam ninguém, só podia ser amor!

A Miquelina foi ao fotógrafo para tirar umas fotografias, a ela e ao bebé. Queria que o Carlos se orgulhasse do bonito filho que tinha: tal e qual a cara dele, parecia tirado a papel químico.

Continua

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:08


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D