Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O futuro (4)

por cheia, em 19.07.21

O futuro, ano 2080

Chegaram as viagens ao espaço, para todos. Já há algumas escolhas, podemos em pouco mais de uma hora atingir a gravidade zero, podendo ver a Terra, de fora dela

Quem quiser passar uns dias ou meses tem ao seu dispor as várias estações espaciais, os hotéis na Lua e em Marte.  

Na Terra tudo está muito diferente, muito mais limpa, porque as pessoas estão informadas e consciencializadas para o que devem fazer a bem do ambiente

A tecnologia permite-nos só utilizar energias renováveis: água, vento, sol, o que fez com que as doenças, derivadas da polução, tenham acabado

Hoje, ninguém deita óleo utilizado nos esgotos! Embora as águas das estações de tratamento, já não sejam deitadas nos cursos de água, continua a ser muito importante que não deitemos nos esgotos, o que não devemos, porque quanto menos lixo tiverem, menos produtos químicos são necessários, para que tenha um PH compatível coma rega dos jardins

Antes, tudo o que deitávamos nos esgotos, acabava no mar

Com a redução do consumo de carne, todos os animais, para consumo, são criados em liberdade. Acabou a criação de animais em cativeiro, sem espaço para se mexerem, com iluminação artificial durante a noite, para estarem sempre a comer, e mais depressa engordarem, com hormonas de crescimento e antibióticos para crescerem mais depressa e não ficarem doentes

Hoje, todos estão mais conscientes das barbaridades que se cometiam na produção dos alimentos e na alimentação

Cada vez há mais pessoas a recusarem-se a comer animais e tudo o que seja produzido pelos animais. Assim, os vegetais, as leguminosas e os cereais passaram a ter uma maior importância na alimentação humana

Existe uma consciencialização nunca vista, para que não haja desperdícios, todos estão empenhados em que se produza de acordo com o que se utiliza  

A construção mudou muito, novos materiais, novas funcionalidades: casas ”inteligentes”

Há robôs que ajudam na lida da casa, pondo a mesa, levantando a mesa, metendo a louça na máquina de lavar louça, na limpeza e em tantas outras tarefas, como fazer as refeições

As casas são geridas por um computador que se encarrega de abrir e fechar os estores, de acender e apagar as luzes, regulá-las de acordo com a luminosidade exterior

A despensa também está sob as ordens do computador, que controla todos os produtos que entram e saem, de modo a saber quando deve fazer a nova encomenda, que será, sempre, igual, caso não receba ordens para comprar novos produtos, novas quantidades, ou não receba novas ordens

Algumas casas já estão preparadas com uma entrada para as compras e um tapete rolante, que as leva para a despensa

Assim que tocam à campainha e dizem que vêm entregar as compras, o computador aciona a entrada para as mesmas, e o robô arruma-as nos seus lugares, sabendo o que é para a despensa, o que deve arrumar no frigórico e na arca frigorífica. Estes robôs são muito inteligentes e educados, fazem tudo para que estão programados.

Continua

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:57

Amor & guerra (30)

por cheia, em 07.06.21

Amor & Guerra (30)

A maior parte das pessoas chegou com a roupa que tinham no corpo. Sem eira nem beira, sem conhecerem ninguém, muitos nunca tinham estado em Portugal, foram dias muito dramáticos, para muita gente

Deambulavam pela cidade, sem rumo, no desespero de quem não consegue prever o futuro, descansavam nos bancos dos jardins, à espera da noite

Foi difícil acomodar tanta gente. Criaram o Instituto de Apoio ao Retorno de Nacionais (IARN)

Mobilizaram algumas unidades hoteleiras, nos distritos do Porto, Lisboa e Setúbal, para onde encaminharam as famílias

Apresentavam índices mais elevados de escolaridade que o resto do país

A pouco-e-pouco criaram negócios, empregaram-se, contribuíram para a dinamização de muitas localidades

Os que eram funcionários públicos e bancários foram integrados, os outros tiveram de se desenrascar. Para a integração dos bancários, muito contribuiu o fato da banca estar nacionalizada

Os pais e o irmão do Firmino, ao contrário dos que não sabiam para onde ir, mal desembarcaram, no aeroporto de Lisboa, apanharam um táxi para a casa da Bárbara, onde forma muito bem recebidos, e ficaram até alugarem uma casa

Voltavam a estar todos juntos, o que, não fora a perda do Firmino e terem sido forçados a deixarem a sua terra, poderia ter sido motivo para estarem muito felizes

A Bárbara emprestou-lhes dinheiro para criarem um negócio, uma ajuda importante, que deu ótimos resultados, uma vez que, em poucos anos, se tornou numa grande empresa, dando trabalho a dezenas de trabalhadores

Depois da euforia de 1974, dos bons aumentos, para alguns, em 1975, da aprovação da Constituição, em 1976, das primeiras eleições livres de 1977, chegámos à banca rota

Pela primeira vez, em 1977, fomos forçados a pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Tomamos-lhe o gosto, não queremos outra coisa, seguiram-se 1983 e 2011

Todos os dias, de cesta numa mão e a outra estendida, vamos aos mercados pedir euros emprestados

A Bárbara e a Sara continuavam a descobrir Lisboa e os arredores. Foram a uma casa de fados, ouviram cantar o fado e ficaram encantadas. Depois foram, ao Parque Mayer, ver um a revista à portuguesa, não se cansavam de, a cidade, percorrer

Viajaram de comboio a Cascais e Sintra. Visitaram o Palácio Nacional de Sintra, o Castelo dos Mouros, o Palácio Nacional da Pena, o Convento dos Capuchos e o Parque e Palácio de Monserrate. Também não quisera deixar de ir ao ponto mais ocidental da Europa: O Cabo da Roca

A seguir decidiram ir a Coimbra, que a Bárbara tanto gostava de conhecer, devido à sua Universidade, onde desejou estudar. Mas, os pais nunca permitiram que saísse de Angola

Para ela, Coimbra tinha muito encanto, mesmo que nunca lá tivesse estado, bastava o fado de Coimbra e as serenatas, que costumava ouvir na rádio

Parecia querer entusiasmar a filha, para que fosse estudar para a Universidade de Coimbra

Por vezes, alguns pais colocam nos ombros dos filhos os sonhos que não conseguiram realizar.

Continua.

   

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:03

Julho!

por cheia, em 01.07.20

Mês de Férias

 

Julho, que sejas bem-vindo!

Que tragas um novo brilho

A um Verão diferente

Para as férias de muita gente

Que precisa urgentemente

De sair do confinamento do apartamento

De manter o afastamento

E, a quem tu podes ajudar, com o tempo

Mostrando-lhe um outro segmento

O de conhecer todo o país

Que para além das praias, tem muito mais

Tem muitos patrimónios!

Um vastíssimo património cultural e monumental

Disperso por todo o país

Que, infelizmente, muitos nem sabem que existe

Que, para todo o saborearmos, muitos anos seriam precisos

Este ano é a ocasião de deixarmos as praias sossegadas

De partirmos à descoberta do resto do país

De mergulharmos nos nossos rios

De usufruirmos dos nossos sumptuosos monumentos e jardins

De afugentarmos o demasiado calor, no centro duma Catedral ou de qualquer outro monumento

De saborearmos a nossa riquíssima gastronomia

Por todos tão admirada!

Não nos faltariam argumentos

Para celebrarmos ao progresso do Interior

Para ver se somos capazes de criar um país mais harmonioso

Baseado no aproveitamento de todos os seus recursos

Para a sustentação de uma economia verde

Que é o que a Natureza quer

E os povos estão a escolher.

 

José Silva Costa

  

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:48


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D