Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Fretes

por cheia, em 25.11.18

Fretes

25/11/1975

O ano do início da consolidação da democracia

Por que até aí, ninguém sabia para onde é que a revolução pendia

Quarenta e três anos depois

Os nossos votos não passam de um a cortina de fumo, para elegermos os representantes do grande capital

Criaram a CRESAP, que nos custa milhões, com a função de escolher os melhores, para a Administração Pública

Mas, quem manda são os donos disto tudo

No último congresso do PS, Catroga exigiu a substituição do Secretário de Estado das energias

Que estava a fazer um bom trabalho para os contribuintes e péssimo para a EDP

Costa aproveitou a confusão de Tancos, que nunca saberemos se houve roubo ou não

Para uma remodelação governamental, incluindo a substituição do Secretário de Estado, pela EDP, indesejado

Há sempre uma empresa Galamba, pronta para todos os fretes

Assim, como há sempre, profissionais ou amadores, para furar greves

A EDP está repleta de administradores inválidos da política: Catroga, Cardona …….

Que, na CGD, fez um trabalho exemplar, um prejuízo de muitos milhões, que tivemos de pagar

Há quarenta e três anos foi tudo nacionalizado, passados uns anos foi tudo reprivatizado

Atualmente é tudo da República da China

Passado quase meio século, continua a economia a mandar

E, nós desejamos, que amanhã vejamos nascer um novo dia.

José Silva Costa

PS. O dia em que o Reino Unido saíu da UE., por achar que a solidariedade não é paz.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:42

Os deserdados

por cheia, em 20.05.18

Dois milhões e meio!

 

Cada vez o fosso salarial nas empresas é maior

Os do topo todos os anos se aumentam

Enquanto os da base são esmagados

Anos e anos sem qualquer aumento, a não ser de trabalho

Ameaçados pelo flagelo do desemprego

Pressionados pelos que todos os anos são aumentados

Para que os lucros cresçam desmesuradamente

Para contentamento dos acionistas, que querem bons dividendos

Muito apostados no capitalismo selvagem

Sem rosto, sem qualquer preocupação de solidariedade

Como se os trabalhadores fossem máquinas

Que nada têm beneficiado com o avanço das novas tecnologias

Que os têm amarrado às empresas, vinte quatro horas por dia

Com grande prejuízo para o convívio das famílias

Em Portugal as disparidades ainda são maiores

Dois milhões e meio de pobres!

São muitos pobres para um país pequeno

Com tantos pobres, os ricos deveriam sentir-se vexaados

Ninguém viverá feliz, de esfomeados, rodeado

Só os defensores da caridade se devem sentir realizados

A nossa miséria já é endémica

Quinhentos anos de misericórdias

Muitos bancos alimentares

Não conseguiram, a fome, afugentar

Ou será que a estão a fomentar?

Acabem com as muitas associações de caridade

Estamos fartos de fomes, de mãos estendidas com chapéu na mão

Numa subserviência de quem não tem direito a pão, habitação, trabalho, justiça

Na segunda débil idade, é doloroso passar os últimos dias

Sem dinheiro para medicamentos, para aliviar as dores.

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:40


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D