Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Aquecimento

por cheia, em 28.11.22

O clima

Novembro está acabado

Choveu, mas as temperaturas mantiveram-se amenas

Para quem já muito viveu, nota bem as diferenças

Quem é que passava este mês sem vestir uma camisola interior ou um pulôver

Que o tempo está mudado, ninguém tem dúvidas, a não ser os que dizem que sempre foi assim

Mas, se a subida da temperatura não chega para convencer os mais séticos, infelizmente, as constantes calamidades, que têm acontecido por todo o lado, deviam ser suficientes para nos fazer pensar e eleger políticos que tomem medidas no sentido de inverter a situação

Os jovens, como sempre, estão na linha da frente, mas são muitas as barreiras a vencer

Todos dizem querer fazer a transição energética para as energias renováveis, mas ninguém prescinde das suas comunidades

Nem mesmo as meninas e meninos, que lutam contra tudo o que é fóssil ou trabalhou em empresas ligadas ao fóssil, são capazes de deixarem de recorrer ao fóssil para fazerem mover os seus automóveis, aquecerem a água, cozinharem, aquecerem as casa, nem deixam de comprar as suas roupas e calçado de famosas marcas, que utilizam a mão-de-obra barata, onde os direitos humanos não existem

Têm de ser convincentes, dando o exemplo, para serem levados a sério e conseguirem que a opinião pública abrace as suas causas, que são de todos, e só com o contributo de todos poderão ser bem-sucedidas

Continua a haver muita gente que não separa o lixo, só o farão se forem obrigados, o que é uma pena

Todos deveriam dar as mãos para um ambiente mais limpo, com a terra, os rios e os mares menos poluídos

Uma boa contribuição seria substituir o transporte individual pelos transportes públicos ou partilhados. Mas ainda não estamos preparados para esse grande salto

Há saltos que só se conseguem com educação, investigação, inovação, colaboração entre os muitos saberes

A opinião pública tem de exigir aos governos que investiam mais na educação, porque o desenvolvimento e melhores condições de vida dependem da inovação, de produtos com valor acrescentado, de uma distribuição mais justa dos rendimentos

As famílias, também, devem investir tudo o que puderem na educação dos filhos e netos, porque é muito mais rentável que lhes deixarem bens materiais.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts recentes


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D