Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"Passeio"

por cheia, em 18.12.20

As mazelas da guerra

Continuação

 O “passeio” a Almeirim

Aos sábados, para aquecermos, para irmos de fim-de-semana, fazíamos um passeio, em passo de corrida, a Almeirim

Uma manhã, andávamos a marchar nas ruas da cidade de Santarém, passámos por um instruendo do curso de Oficiais Milicianos, que estava parado, em cima duma corda, entre duas árvores, sem conseguir sair dali. Passámos por ele duas vezes, na última, uma velhota parou, virou-se para o instrutor e gritou, com plenos pulmões: “ anda uma mãe a criar um filho, para isto”! ? 

No rio Tejo, tínhamos de atravessá-lo numa jangada feita de dois bidons e um estrado de madeira, utilizando dois remos. Uns tempos antes de ir para Santarém, dois militares foram rio abaixo, devido a uma enxurrada, faleceram.

Havia também um sítio onde tínhamos de rastejar com todo o cuidado, porque se nos baixássemos bebíamos a água, se nos levantássemos demasiado, o arame farpado riscava-nos os costados

Outro dos exercícios era patrulharmos as povoações, cerca de 60 a 70 km. Assim, grupos formados por 7 ou 8 elementos, munidos de mapas e bússolas, calcorreavam montes, vales e povoações, tinham de regressar todos, não podendo deixar nenhum elemento para trás

Como não podia deixar de ser, fazia parte da patrulha batizada de “coxos,” por todos termos tido acidentes, e um era muito gordo

A primeira patrulha foi dentro da cidade. Fazia parte do percurso um túnel, onde passavam os esgotos do Hospital. O mais forte não conseguiu passar. A passagem não foi fácil, mas os restantes cumpriram o desafio

As patrulhas eram muito disputadas, porque havia uma taça, que tanto estava na messe dos Oficiais, como na dos Sargentos, dependia de quem fizesse a patrulha em menos tempo

As patrulhas, por terem muitos kms, entravam pela noite dentro, havia obstáculos a transpor, num deles, um elemento do meu grupo, não o conseguia transpor: tratava-se de saltar um desnível de 2 ou 3 metros, tomava balanço, mas quando devia saltar, estacava, à terceira tentativa não o deixei estacar, dei-lhe um encosto. Não podíamos ficar ali todo o dia!

Para além dos obstáculos, também tínhamos postos de controlo, onde recebíamos a senha para a etapa seguinte. Numa das patrulhas tínhamos um posto de controlo junto a uma igreja. As igrejas costuma estar em pontos altos, percorremos a localidade e não conseguíamos encontrar a igreja. Deviam ser umas 2 horas, ouvi uma pessoa tossir, bati na janela e pedi para nos informar onde era a igreja, respondeu-me que era junto ao rio

Numa outra patrulha, já de regresso, 4 ou 5 da manhã, com as botas a pesarem, cada vez mais, caminhávamos m fila indina, na berma da estrada, um camionista parou, o camião não tinha taipais, fez-nos sinal para subirmos, e nós nem pensámos duas vezes, atirámo-nos para cima do camião. Passados alguns minutos, alguém se lembrou que arriscávamos a despromoção, pedimos ao condutor para parar porque tínhamos de sair

Passados 10 ou 15 minutos passou um jeep do controlo, e nós, olha do que nos livrámos! 

Chegámos em quarto lugar. Os que já tinham chegado e os que chegaram depois ficaram incrédulos, porque costumávamos ser os últimos. Ainda quiseram averiguar o que se tinha passado, mas mais ninguém ficou a saber o que tinha acontecido

Na última patrulha, perto do Natal, num dia de muito frio e muita chuva, foram num jeep, com garrafões de água-ardente, dar-nos uns cálices, para não entrarmos em hipotermia

Sempre o álcool, tanto para aquecer como para “anestesiar”. Já dizia Salazar: “ beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses”

Com o Natal chegou o fim do curso. Na cerimónia da entrega de galões e divisas, o Comandante da Escola Prática de Cavalaria, no seu discurso disse: “vocês foram os escolhidos, porque o critério são as habilitações literárias, não quer dizer, que no vosso percurso militar, não encontrem soldados tão ou mais capazes de exercerem as vossas funções”

Mandaram-nos escolher três quarteis de Cavalaria, escolhi: Lisboa, Estremoz, Castelo Branco

Fomos uns dias de férias, a 06/01/1969 apresentei-me no Regimento de Cavalaria nº 7, em Lisboa, no primeiro Esquadrão

Uma das missões do Regimento era assegurar a ordem pública. Tínhamos, ainda, alguns carros de combate da segunda guerra mundial, um dia lembraram-se de ver se aquele ferro velho funcionava. Não faltavam extintores, com receio que se incendiassem ou explodissem, alguns não funcionaram

Fui obrigado a recensear-me, pela primeira vez, até aí nunca tinham querido saber do meu voto, e nesse ano também não, porque no dia das eleições, uma rádio angolana noticiou que as tropas estacionadas, no sítio onde estava, tinham votado. Mas, da minha Companhia ninguém votou, porque não nos deram essa possibilidade. Alguém deve ter votado por nós!

Continua

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


14 comentários

Imagem de perfil

De jabeiteslp a 18.12.2020 às 08:25

Recruta bem regada

Bom fim de Semana com alegria
e amor pra vocês José
Imagem de perfil

De cheia a 18.12.2020 às 17:24

Foi a recruta e a especialidade, tudo bem regado com a água do Tejo e a água ardente.

Um bom fim-de-semana para vocês!
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 18.12.2020 às 09:01

Só coisas "boas"... Os canos da Carregueira, também são tramados...
Com que então Cavalaria... Grande José :-)))

Gostei do episódio da Igreja :-)))
Abraço,
Imagem de perfil

De cheia a 18.12.2020 às 17:12

Se o homem não tossisse, nunca mais saíamos dali.

Um abraço,
Imagem de perfil

De MJP a 18.12.2020 às 11:28

Grata pela partilha, José! :)
Dia Feliz!
Imagem de perfil

De cheia a 18.12.2020 às 17:05

Muito obrigado!

Bom fim-de-semana!
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 18.12.2020 às 12:27

Mais uma grande partilha José
Grata por não nos fazer esquecer

Beijinhos
Feliz Dia
Imagem de perfil

De cheia a 18.12.2020 às 17:04

Muito obrigado, Luísa!

Bom fim-de-semana!

Beijinhos
Imagem de perfil

De imsilva a 18.12.2020 às 13:57

Experiências que fizeram homens na altura, quantos não necessitavam disso agora, para darem valor à vida.
Beijinhos
Imagem de perfil

De cheia a 18.12.2020 às 17:00

Tens toda a razão! A tropa era uma grande escola.

Bom fim-de-semana!

Beijinhos
Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 19.12.2020 às 20:42

Uma recruta muito dura, a meu ver.
Valentia e coragem foi o que transpareceu neste relato.

Boa noite José
Imagem de perfil

De cheia a 19.12.2020 às 21:37

Foi mais saber que conseguimos ir além do que pensávamos ser o limite.

Feliz domingo, Manu
Imagem de perfil

De Orlando Figueiredo a 24.12.2020 às 21:50

Gosto imenso de ler os seus textos sobre o serviço militar e a guerra colonial. Ilucidativos sobre a situação e a primeira pessoa do singular dá-lhes um poder incrível. Obrigado.
Imagem de perfil

De cheia a 24.12.2020 às 22:11

Eu é que agradeço as amáveis palavras e o interesse por estes textos!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D