Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O princípio

por cheia, em 04.12.20

As Mazelas da Guerra

 

Continua

 

O princípio

Assentei praça em julho de 1967, No Regimento de Infantaria nº 5, nas Caldas da Rainha

Na 3ª semana de instrução, no sábado, o nosso Alferes  estava ausente, quase a acabar a instrução, apareceu um Alferes a mandar-nos transpor alguns obstáculos, num deles, rachei o  calcanhar, fui para a enfermaria, mas na radiocospia não detetaram nada, fiquei todo contente

Queria era ir de fim-de-semana, para casa, entrei no autocarro que nos levava para o Campo das Cebolas, em Lisboa

Quando saí do autocarro, já não conseguia andar, apanhei um táxi, que me levou para a Rua da Paz, onde vivia o meu cunhado, irmão da minha mulher

Subi as escadas até ao 4º andar de gatas, telefonei para aminha mulher, que foi ter comigo

Passámos ali o fim-de-semana, no domingo à tarde apresentei-me no Hospital Militar, mas disseram-me para me ir apresentar no anexo, um espaço criado para receber todo o horror que chegava das três frentes de combate, um pouco mais escondido do que Hospital Militar Principal

A minha mulher acompanhou-me, e depois seguiu para casa. No dia seguinte, pelas 9 horas, uma patrulha da Guarda Nacional Republicana bateu à porta da nossa casa, ao saberem que ela era a minha mulher, dispararam o seguinte: “ o seu marido desertou, onde é que ele está?

Respondeu-lhes: “ o meu marido não desertou, está no anexo do Hospital Militar Principal, em Lisboa, deu lá entrada ontem à tarde”

Na segunda-feira fizeram-me um raio x ao pé, engessaram-no, entregaram-me duas canadianas e dissera-me para não me apoiar nele

Fiquei lá poucos dias, mas os suficientes para ver a quantidade de feridos e o estado em que chegavam

Não podia faltar uma capela, para aos domingos, quem quisesse ir à missa, mas no único fim-de-semana que lá estive, fomos informados que não haveria missa, porque a capela estava cheia com 60 caixões, que tinham chegado

Um dia, penso que andava à procura duma casa de banho, por engano, entrei num espaço grande, que me fez lembrar um berçário de uma maternidade: muitos, pequenos caixotes, todos ao mesmo nível, onde o que vi, foram olhos a mexer, um silêncio absoluto, fiquei tão perturbado, que não confirmei o que estava a ver, saí dali a sete pés, ainda que só apoiado num e nas canadianas

Passados alguns dias mandaram-me para casa de convalescença

 Um dia, eu e a minha mulher tivemos de ir a Lisboa, tratar já não sei de quê, ela grávida da nossa primeira filha, com uma enorme barriga, eu apoiado nas canadianas, entrámos num autocarro, uma pessoa levantou-se para nos dar o lugar, ficou tão atrapalhada por não saber a quem dar o lugar, tive de fazer um grande esforço para não me rir, e disse a minha mulher para se sentar. Depois, outra pessoa levantou-se e eu sentei-me

Naquele tempo não havia lugares prioritários nos transportes públicos

 Algum tempo depois substituíram o gesso. No novo gesso colocaram um salto com duas hastes apoiadas na perna, para não fazer força no pé

Voltei para casa, para mais uns dias de convalescença até me tirarem o gesso

Quando voltei a tentar andar sem gesso, a adaptação foi muito dolorosa, tinha muitas dores, e foram precisos alguns meses para recuperar

Fui colocado no Depósito de Indisponíveis, que funcionava num Convento, à Graça, tem uma vista deslumbrante sobre a cidade de Lisboa

Na primeira noite que lá dormi, felizmente foram poucas, tinha ido levantar a roupa da cama, estava a fazê-la, quando um soldado se abeirou e me perguntou o que me tinha acontecido

Despois de satisfazer a sua natural curiosidade, ele disse-me: “ és menino rico, tens a divisa de instruendo”!  

Respondi-lhe: se soubesse a minha vida! Catalogamos os outros, pela aparência, sem nada sabermos deles

O tempo foi passando, de vez em quando, ia à consulta, o médico perguntava-me se me doía o pé, e eu respondia que sim

Em Dezembro de 1967, quando a minha filha nasceu, sentia-me inutilizado e com uma filha para criar

No dia do seu primeiro mês não a vi, passei a tarde sentado na esplanada dum café, na rua Conde de Redondo, em Lisboa, rascunhando uns versos para lhe dedicar

Não estive presente nos seus três primeiros aniversários, a tropa roubou-me os quatro primeiros anos da minha filha

Na última consulta, o médico disse-me:” já andas aqui há quase um ano, vais a uma junta médica”

No dia em que fui à junta médica, foi, também, outro, que aparentemente o que tinha era uma grande cunha

Entrámos os dois, ele foi o primeiro, olharam para ele e disseram: “ inválido para todo o serviço militar”

A seguir olharam para mim e disseram: “ apto para todo o serviço militar”.

 

Continua

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:58


16 comentários

Imagem de perfil

De jabeiteslp a 04.12.2020 às 08:27

Momentos do tempo
e que memória José

Bom fim de Semana com alegria
e humor de bom dia pra vocês.
Imagem de perfil

De cheia a 04.12.2020 às 08:59

Um tempo que não esqueço.

Um bom fim-de-semana para vocês e cuidado com o frio!
Imagem de perfil

De MJP a 04.12.2020 às 11:35

Grata pela partilha, José!
Bom fim-de-semana!
Imagem de perfil

De cheia a 04.12.2020 às 14:27

Muito obrigado!

Boa tarde!
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 04.12.2020 às 14:07

Oh José ... o que passaste!
Emociono-me sempre com estes teus relatos!

Beijinhos
Feliz Dia
Imagem de perfil

De cheia a 04.12.2020 às 14:29

Muito obrigado pelas tuas amáveis palavras!

Um resto de dia feliz!

Beijinhos
Imagem de perfil

De imsilva a 04.12.2020 às 15:08

Claro que é mais um bom texto.
Reparo que naquela época, não havia lugares prioritários, porque havia bom senso.
Beijinhos
Imagem de perfil

De cheia a 04.12.2020 às 18:06

Muito obrigado pelas encorajadoras palavras. Quanto ao senso, talvez tenhas razão.

Boa noite!
Beijinhos
Imagem de perfil

De Rute Justino a 04.12.2020 às 21:27

Amando esta partilha
Imagem de perfil

De cheia a 04.12.2020 às 22:33

Muito obrigado!
Boa noite!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.12.2020 às 21:47

A tropa a modos que começou azarada. E o poetar já vem dessa época. Muita saúde e calma no confinamento.
Imagem de perfil

De cheia a 06.12.2020 às 21:59

Sem dúvida!
Imagem de perfil

De Francisco Carita Mata a 06.12.2020 às 21:48

A tropa a modos que começou azarada. E o poetar já vem dessa época. Muita saúde e calma no confinamento.
Imagem de perfil

De cheia a 06.12.2020 às 21:57

Sem dúvida! Começou azarada, mas felizmente lá se compôs e voltei são e salvo, como se costuma dizer.

Boa noite!
Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 07.12.2020 às 22:23

Grande aventura! Tantas peripécias.
Começou na terra onde vivo, mas a fractura, não foi nada bom.
O nascimento da filha, foi a maior alegria, pena estar tanto tempo sem a ver.
Gostei de mais uma vez ler um relato tão empolgante.

Boa noite José
Imagem de perfil

De cheia a 07.12.2020 às 22:52

Uma bonita cidade! Passou por aí tanta mocidade a caminho dum triste destino.

Muito obrigado pelas encorajadoras palavras.

Bom feriado, Manu

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D