Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mazelas

por cheia, em 14.08.20

As mazelas da guerra

Fui desafiado, pela amiga Alice Alfazema, para partilhar, o que chamo de  mazelas da guerra

Ainda que seja muito penoso, mesmo depois de meio século, das mazelas da guerra falar! Vou tentar, convosco partilhar, as peripécias, de que, ainda, me consiga recordar.

As mazelas da guerra será uma rubrica, que vou tentar publicar à sexta-feira

                                                              

  A Partida

 

Portugal desaguou em Lisboa, no cais da Rocha de Conde de Óbidos, o sol não raiou, a lua perdeu o brilho e a beleza, tudo estava coberto de tristeza

O monstro dormiu no cais, ao contrário dos de mais, que não dormiram em nenhum lado, tudo ficou acordado, à espera da partida, do último abraço, do último beijo, do último ai

Pais, mães, esposas, irmãs, namoradas, tias, tios, amigas, amigos, unidos no último adeus, para alguns, com a certeza e na incerteza de quem eram os que, nunca mais, voltariam aos cais

As mães apertavam os filhos, como que querendo escondê-los, novamente, no seu ventre

O monstro urrou, a avisar, para que desatassem as amarras e os militares entrassem para o seu interior, a maré subiu devido às lágrimas derramadas

As mães assustaram-se, abriram os braços, e os seus filhos correram para o barco

Desatadas todas as amarraras: as humanas e as materiais fizemo-nos ao mar

Perdemos o Tejo, deixámos para trás a formosa, bela e fresca Sintra

Entrámos no Oceano Atlântico

Passadas vinte e quatro horas entrávamos no porto do Funchal, para, também, da Pérola do Atlântico, os seus filhos, levar

Só permitiram que nos ausentasse-mos por quatro horas, enquanto acabavam de saciar o monstro

Só deu para pouco apreciar, daquele lindo jardim, no meio do mar, plantado

Depois de muito lotado, os soldados bem se queixavam, os que tinham as camas colocadas junto às chaminés, onde era impossível dormir, devido ao calor, voltámos ao mar

O paquete Vera Cruz tinha sido adaptado para que, a maior quantidade de carne para canhão, pudesse levar

De novo no mar, foi só acelerar, numa feroz competição com a NASA, para ver quem chegaria primeiro, se nós a Lunda, se os astronautas à lua para aterrar

Infelizmente, mais uma vez, perdemos.

José Silva Costa

                                                       continua

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59


2 comentários

Imagem de perfil

De cheia a 14.08.2020 às 08:15

@Alice Alfazema
Imagem de perfil

De Alice Alfazema a 22.08.2020 às 17:59

Olá José, só agora cheguei aqui, desculpe. Essa ligação de alice não vai dar ao meu blogue, penso que o meu seja @alicealfazema. Que bom que começou a escrever sobre esta etapa da sua vida, é bom dar a conhecer na 1ª pessoa um pedaço da nossa História que foi esquecida por vários motivos, entre eles o propósito.

Quero deixar aqui aquele texto que escreveu para o meu blog, é para mim o começo desta sua aventura neste relato de "Mazelas", um texto que gosto muito e que vou guardar com carinho.

"Foi a última etapa da preparação para a Guerra Colonial, em 1969, antes de ir para Angola.

Fado
Foi na bela Serra da Arrábida, que me coube a conclusão
Da dura preparação, para a guerra, onde não queria a minha inclusão
Nela, acampamos por umas semanas
Lá no cimo, por cima do Portinho da Arrábida
Recusei-me a nascer antes da guerra acabar
Acabaram por, para a guerra, me mandar
Contra tudo o que fiz, para não embarcar
Numa manhã de Julho, domingo, quando as pessoas, à praia, estavam a chegar
Fizeram-nos, da Praia dos Galapos, a serra trepar, na vertical
Que Bela Serra, a da Arrábida, e a sua linda Cidade de Setúbal!
Onde na sua bela avenida, nos fizeram desfilar
Para recebermos os aplausos da despedida
De tão nobre povo que, de braços abertos, nos acolheu
Foi um ato muito triste, doloroso e honroso
Por ser, por irmos, para a guerra.

Parafrasear Bocage
Bocage, grande Bocage
O meu fado não é semelhante ao teu
Quando os cotejo
Mas, igual causa nos fez perder o Tejo."

Aqui fica também a ligação para contextualizar:https://alicealfazema.blogs.sapo.pt/cha-com-violetas-3-1263664


Um Abraço.



Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D