Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Cascas de nozes com baratas

por cheia, em 27.02.18

A mendicidade

 

Todos os dias, na mesma esquina, sentada no chão

Com as pernas recolhidas, na dura e gelada calçada

Chova ou faça frio, enregelada, na mesma posição

Passo, e ela diz bom dia e acena-me com a caixinha com cêntimos

Fico, sempre, tão transtornado, por ver aquela rapariga, naquele estado

Como é que ela aguenta aquela penitência?

Horas e horas, naquela posição, naquele gelado passeio

É estrangeira! De longe, de perto, de onde é que terá vindo?

Cada vez que passo cumprimenta-me, e eu arrepio-me

Por não ser capaz de lhe dar, nem que seja, um cêntimo!

Não quero alimentar aquele modo de vida, mas fico tão revoltado!

Não sei se com ela, se comigo, se com toda a gente, se com o resto do Mundo

Fui obrigado a vê-la, cinco terças-feiras seguidas, não foi bem, porque na de Carnaval, não fui a Lisboa

Hoje, espero que tenha sido a última vez. Pois, desejo que não seja preciso voltar àquela esquina, tão depressa!

Mas, vai ser preciso muito tempo, para me esquecer da cara dela: franzina, o corpo todo coberto, só a face macilenta à vista! Mesmo toda entrapada, não sei, como aguenta!

Sempre que vejo estas pessoas vê-me à ideia uma triste situação, que aconteceu na estação ferroviária de Sintra

Uma senhora desceu do comboio acompanhada de uma menina, que parecia cega

A senhora afastou-se um pouco da gaita, esta estava constantemente aos aís

As pessoas perguntaram-lhe o que tinha, para ter os olhos com ligaduras

A miúda respondeu que tinha baratas nos olhos

Chamaram a polícia, e não as abandonaram enquanto a polícia não chegou

Tiradas as ligaduras verificaram que a menina tinha duas meias cascas de nozes com baratas

A finalidade seria cegá-la, para ser utilizada para a mendicidade

O que o ser humano é capaz de fazer, para viver da mendicidade!

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52


12 comentários

Imagem de perfil

De cheia a 17.03.2018 às 16:04

Não há adjetivos, que consigam classificar tamanha monstruosidade.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D