Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As férias

por cheia, em 23.10.20

As mazelas da guerra

Continuação

As férias

Não me consigo lembrar como fui do Audulo para o Alto Hama, ou Alto Uama, o grande entroncamento nacional das rodovias Transnacionais que fazem parte da Rede Rodoviária Transafricana, onde muitos pernoitam, para descansarem das longas viagens

Tenho uma vaga ideia de ter lá dormido, e no dia seguinte ter perguntado se alguém ia para Luanda, e se me dava boleia. Um senhor disse-me que ia para perto de Luanda, e eu disse-lhe que valia mais estar perto que longe

Um bom carro, boa velocidade e uma caçadeira a meu lado. Quando entrei no carro, ainda fiquei um pouco preocupado, sem saber para que serviria a caçadeira

Passados uns bons quilómetros, avistámos um animal, muito ao longe, abrandou e disparou, e mais umas quantas vezes, durante a viagem, sem que tenha acertado, acho que era mais o gosto de disparar

Quando chegou ao destino, vimos uma camioneta carregada de sacos de farinha, ele conhecia o condutor, sem sair do carro, perguntou-lhe se me podia levar, para Luanda

Foi sair do carro, entrar na camioneta, até parecia que estava tudo combinado!

Finalmente, em Luanda, para a minha primeira viagem de avião. Oito horas, das 24 às oito, sobre o Atlântico,  porque, devido à guerra, não podíamos sobrevoar os países africanos, foi uma ótima experiência

Em agosto de 1970, de férias na metrópole, ainda as férias iam a meio, recebi uma carta de um camarada, onde me dizia que a nossa Companhia tinha sido mobilizada para uma operação numa zona de minas, mas não eram de petróleo, uma viatura já tinha ido pelos ares

Como estava a preparar o lume, para um churrasco, a carta foi direitinha para o lume, para que não fosse mais uma preocupação para a minha mulher, que nunca soube da receção da mesma

No início das férias já tinha tido um percalço, em Angola nunca tive paludismo, mal cheguei a casa fiquei com paludismo: febre a chegar aos 40 graus, a transpirção era tanta, que a minha mulher estava constantemente a trocar os lencois

Enquanto a médica não veio, pedi-lhe  para chamar um enfermeiro, para me dar um injeção que baixasse a febre, já não aguentava mais,  uma temperatura tão alta 

A médica queria mandar-me para o Hospital Militar, eu não queria passar umas férias, que me custaram uma fortuna, paga a prestações, à TAP, para passar um mês com a mulher e a filha, no Hospital Militar, pedi-lhe que me receitasse uma injeção de resochina, o mais difícil foi encontrá-la, mas foi remédio santo

Ao contrário do que acontecia em Angola, que os dias pareciam meses, os 30 dias férias passaram a correr

Quando me despedi da minha filha, com 20 meses, que dizia, sempre, a quem se despedia dela, “até logo”, foram as palavras que durante mais tempo, mais martelaram a minha cabeça, porque no momento pensei, ou até nunca mais!

 

Continua

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:58


12 comentários

Imagem de perfil

De imsilva a 23.10.2020 às 09:42

Forte, texto forte como aliás a vida é.
Continuas a deixar-me agarrada aos teus relatos.
Tem um belo dia.
Imagem de perfil

De cheia a 23.10.2020 às 20:14

Agradeço as tuas amáveis palavras!

Feliz fim-de-semana!
Imagem de perfil

De Folhasdeluar a 23.10.2020 às 11:23

Tempos duros...em que não existia motivação nem motivo...para matar e para morrer...abraço e bom fim-de-semana
Imagem de perfil

De cheia a 23.10.2020 às 20:18

Sem dúvida! Felizmente, na guerra, nunca precisei de dar um tiro.

Feliz fim-de-semana

Um abraço
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.10.2020 às 10:12

Sorte a sua. Mas quem como eu visitou o hospital das F.A. no Lumiar, pôde observar o que é a guerra. Aí sim, podemos ver o sofrimento de quem regressou estropiado fisicamente e também psicologicamente.Abraço
Imagem de perfil

De cheia a 25.10.2020 às 11:21

Sim! Tivemos muita sorte, porque a guerra não foi igual em todos os sítios, nem em todas as Colónias. Contaram-me que na Guiné, nalguns acampamentos, mal saíam dos abrigos, choviam balas e granadas de morteiro.

Bom domingo, um abraço,
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 23.10.2020 às 12:32

Oh José, quanto passaste ... !
Gosto tanto destes teus relatos

Beijinhos
Feliz Dia
Imagem de perfil

De cheia a 23.10.2020 às 20:20

Muito obrigado pelas tuas amáveis palavras!

Feliz fim-de-semana

Beijinhos
Imagem de perfil

De MJP a 23.10.2020 às 13:02

Grata por tão generosa partilha, José!
Bom fim-de-semana!
Imagem de perfil

De cheia a 23.10.2020 às 20:23

Agradeço as encorajadoras palavras, Zé!

Feliz fim-de-semana!
Imagem de perfil

De Existe um Olhar a 27.10.2020 às 01:35

Continuo presa a estas aventuras

Um dia pode escrever um livro.
Boa noite José

Imagem de perfil

De cheia a 27.10.2020 às 09:24

Muito obrigado pelo incentivo.

Um feliz dia!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D