Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Sentença

por cheia, em 25.12.20

As mazelas da guerra

Continuação

A sentença

Uns três meses depois fui nomeado para servir no Ultramar, nos termos da alínea c/ art.3º Dec. nº 48937 de 1960, com destino à Região Militar de Angola

Naquele momento, Angola era, dos três teatros de guerra, como gostam de dizer, o menos perigoso

Estava traçado o nosso destino. Foram criadas duas Companhias. Recebemos os soldados para lhes darmos a especialidade e embarcarmos

Todos os dias calçada da Ajuda acima e abaixo, de Monsanto ou para Monsanto, onde eram ensinadas as táticas de combate. No Regimento de Lanceiros 2, onde estava instalada a Polícia Militar, tínhamos a pista de obstáculos

No Quartel da Serra da Carregueira fizemos fogo real, na Fonte da Telha, mais uns dias de preparação, onde um rapaz, da zona de Viseu, levou sabão para se lavar no mar, e os outros se riram. Mais um que, infelizmente, nunca tinha visto o mar, com se fossemos um país com pouco mar!

A seguir fomos para a Serra da Arrábida. Ficámos adstritos ao Regimento de Infantaria nº 16, onde, acho que dormimos uma noite

Mas antes de irmos para a Serra da Arrábida, ainda fui mobilizado para desfilar no 10 de Junho de 1969, como porta-bandeira

Nessa altura, o 10 de Junho era sempre comemorado na Praça do Comércio, terminando com um desfile até à Praça da Figueira

Para ensaiarmos o desfile, tivemos de ir um dia ao Regimento de Comandos, na Amadora

Desfilei com o Estandarte duma Companhia, que serviu em Moçambique, e segundo me informaram morreram lá, quase todos

No início de Julho estávamos aptos a seguir para Angola. Mas, antes de embarcarmos desfilámos na bonita avenida Luísa Todi, em Setúbal, para que todos se despedissem dos jovens do país, vendo que partiam saudáveis, regressando estropiados, ou mortos, consumidos numa guerra sem sentido

O Bocage desejou-nos boa sorte e ofereceu-nos este soneto

 

Camões, grande Camões, quão semelhante

Acho teu fado ao meu, quando os cotejo!

Igual causa nos fez, perdendo o Tejo,

Arrostar co`o sacrílego gigante;

 

Como tu, junto ao Ganges sussurrante,

Da penúria cruel no horror me vejo;

Como tu, gostos vão, que em vão desejo,

Também carpindo estou, saudoso amante.

 

Ludíbrio, como tu, da Sorte dura

Meu fim demando ao Céu, pela certeza

De que só terei paz na sepultura.

 

Modelo meu tu és, mas … Oh, tristeza! …  

Se te imito nos transes da Ventura,

Não te imito nos dons da Natureza.

 

Como eles, também nós iriamos, dentro de dias perder o Tejo, alguns, para sempre, só voltando a ele, nas urnas de chumbo.

A resposta à pergunta daquela velhota que, em Santarém, perguntava se era para aquilo que uma mãe andava a criar um filho, poderia nunca ter chegado. Mas, felizmente, chegou na madrugada de 24 para 25 de Abril de 1974, quando O Movimento das Forças Armadas solicitou que os militares da Escola Prática de Cavalaria, com os carros de combate, avançassem para Lisboa

Foi nessa noite memorável que, o Capitão Salgueiro Maia fazendo jus à divisa, “O Exército é o Espelho da Nação”, mandou os militares formarem na parada, para lhes perguntar quem é que o queria acompanhar a Lisboa, onde iriam derrubar uma ditadura de meio século, para entregarem o poder ao povo

Pena é que muitos não tenham percebido esse gesto de generosidade de muitos militares, que cansados da guerra, decidiram pôr lhe fim, arriscando as suas vidas, e continuem a não utilizar a arma que eles lhe entregaram: o voto

Treze anos de guerra sem fim à vista!

Os políticos continuavam no “orgulhosamente sós”

O General António de Spínola foi nomeado, em 1968, Governador-Geral e Comandante-Chefe das Forças Armadas da Guiné-Bissau. A sua ambição era conquistar as populações com melhorias económicas e sociais, mas não teve êxito

Regressou em 1973, publicou o livro “Portugal E o Futuro,” onde defende uma República Federal, dando como exemplo a Alemanha e o Brasil

Na 3ª edição, de Março 1974, página 199, “ a unidade nacional consistira então em ali continuarmos impondo a nossa lei pela força das armas. Ora, não só tal hipótese repugna à moral comum como não é sequer viável”

No dia 25 de Abril de 1974 foi indicado, pelo Movimento das Forças, para negociar a rendição do Professor Marcelo Caetano

O seu mandato de Presidente da República foi curto, de 15/5 a 30/09/1974, porque a sua defesa do federalismo chocou com o que defendiam o Movimento das Forças Armadas e os Movimentos de Libertação das Colónias

Há quem condene a maneira como a descolonização foi feita. Acho que depois do 25/04/1974, não havia condições para fazer melhor

Se durante 13 anos não conseguimos ganhar a guerra, como é que impúnhamos as nossas condições aos Movimentos de Libertação, quando já não conseguíamos que os militares pegassem nas armas, recusando-se a embarcar, para Angola, no aeroporto de Lisboa?

Continua

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:40


12 comentários

Imagem de perfil

De Ana de Deus a 25.12.2020 às 10:39

viva José festas felizes

e que prenda boa é "o voto"

quando fiz 18 anos o meu pai esperava que eu quisesse a carta de condução, pois ele teve de trabalhar forte para a conseguir pagar aos 21 anos. eu queria recensear-me. e foi a primeira coisa que eu fiz na manhã do meu 18 aniversário.

tirei a carta no ano seguinte.

beijinhos e tudo de bom
Imagem de perfil

De cheia a 25.12.2020 às 15:57

Sem dúvida! O direito de voto, a liberdade, a maior idade aos 18 anos foram algumas das boas prendas.

Feliz resto de Boas Festas!
Beijinhos
Imagem de perfil

De Francisco Carita Mata a 25.12.2020 às 13:43

Mais um relato sobre a guerra colonial ou do ultramar, que se lê com muito agrado.
De entre os vários aspetos interessantes, realço a do rapaz que se queria lavar no mar. Imagem do nosso País de então!
Saúde! Feliz Natal!
Imagem de perfil

De cheia a 25.12.2020 às 15:41

Felizmente, que o nosso País mudou bastante, neste meio século.

Também lhe desejo muita saúde e o resto de Boas Festa!
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 25.12.2020 às 18:59

Mais uma memória tua José, que não deve nunca ser apagada
Que relato!!!!
Gostei muito

Beijinhos
Feliz Natal
Imagem de perfil

De cheia a 25.12.2020 às 19:11

Muito obrigado, Luísa!

Boas Festas
Beijinhos

Imagem de perfil

De MJP a 25.12.2020 às 19:50

Grata pela partilha, José!
Boas Festas!
Imagem de perfil

De cheia a 25.12.2020 às 21:45

Eu é que agradeço o interesse e carinho, Zé!

Boas Festas!
Imagem de perfil

De imsilva a 27.12.2020 às 09:32

As interrogações, e os factos da nossa história!
Bom domingo.


Imagem de perfil

De cheia a 27.12.2020 às 14:51

Uma longa História de quase mil anos!

Feliz domingo.
Imagem de perfil

De Maroussia a 28.12.2020 às 01:15

Estou sempre fiel à leitura da sua narrativa, pensando como será o final e que num Livro seria tão merecido de ser editado. Peço desculpa senão comento muito, não é desinteresse mas sim, porque sinto-me repetitiva. Todavia atenta estou, ao que escreve o José, e os outros amigos. Bem hajam ! Um bom ano de 2021, feliz será difícil mas... resta-nos a Esperança de ser um pouco melhor, do que este que está a acabar. Abraço !
Imagem de perfil

De cheia a 28.12.2020 às 14:43

Estou muito grato por seguir a minha narrativa e estar atenta ao que escrevo.

Também lhe desejo um bom ano de 2021!

Um abraço!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D