Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Cega Que Só Vê o Que Quer

por cheia, em 13.11.19

Tenho vergonha de uma sociedade que prende preventivamente uma mulher que joga no meio do lixo o filho acabado de nascer. Tenho vergonha de uma justiça que parou num dia qualquer há mais de quatro mil anos, sentenciando "olho por olho, dente por dente" e jogando essa mulher no meio do lixo.

Quem pode não saber que uma mulher assim, jovem e sem-abrigo, é alguém que acumula tanto sofrimento que torna impossível que não seja cada um de nós tão ou mais culpado que ela pelo que a ela e ao seu filho aconteceu? Quem pode ser tão cruel para se apressar a castigar quem precisa de ajuda psicológica e tratamento médico?

Não nos podemos iludir, esta decisão não é fruto de um algoritmo, não nasce do acaso. Brota de uma agenda populista, de uma Comunicação Social tabloide que semeia culpas para colher sentenças, de comentadores e políticos justiceiros a quem uma parte do Ministério Público e alguns juízes gostam de fazer a vontade. Uma imigrante africana, desinserida da sociedade, que cometeu o crime de abandonar um recém-nascido em condições que podiam ter sido fatais só é um caso a necessitar de uma "sentença" exemplar para uma justiça que alinha as suas preocupações com os populistas, que não têm nunca disponibilidade para procurar resolver, antes se apressam a condenar sem querer saber como foi possível. Sim, é evidente que neste caso a prisão preventiva funciona como castigo. Não se destina a evitar a continuidade da prática criminosa, nem pode presumir a capacidade da arguida prejudicar a investigação estando em liberdade. Fugir, sim, admito que lhe tenha passado pela cabeça, muitas vezes, fugir do destino que lhe coube em má sorte.

Esta justiça que procura estar sintonizada com a horda de justiceiros, que não hesita quando é para prender, é uma justiça que não procura ser justa e que quer ter as mãos mais livres para ser discricionária e agir de acordo com interesses próprios. Esta não é a justiça que queremos cega para não olhar a quem, é uma justiça que espreita pelo canto da venda. O supremo magistrado da nação convoca a "compreensão humana para o ambiente que rodeou o gesto daquela mulher" e deixou "uma palavra especial a pensar no drama daquela mãe que, numa situação de desespero, foi levada a fazer aquilo que fez". O que Marcelo nos lembrou só não vê quem não quer. Que lhes pese na consciência a decisão que tomaram.

Paulo Baldaia

Jornalista  -  JN

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:46


10 comentários

Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 13.11.2019 às 20:45

Não podemos julgar!!!!
Devemos colocarmos no lugar do outro!!
É isso de está a fazer falta!

Beijinhos
Uma Boa Noite!
Imagem de perfil

De cheia a 13.11.2019 às 22:30

Sem dúvida! Antes de condenarmos, temos de tentar compreender o que leva a tanto desespero.

Boa noite
Imagem de perfil

De omeumaiorsonho a 13.11.2019 às 21:27

Existe sempre os dois lados da moeda!
Imagem de perfil

De cheia a 13.11.2019 às 22:24

Sem dúvida!
Imagem de perfil

De jabeiteslp a 14.11.2019 às 08:45

Assim anda a fobia
da propaganda trauliteira
sem princípios
tal um passeio de vaidades e poeira

Bom dia José e ao exposto também.

Imagem de perfil

De cheia a 14.11.2019 às 17:15

É preciso acontecer uma desgraça, para sabermos o que se passa, para vermos que, afinal, não vivemos num mundo cor-de-rosa!

Bom resto de semana
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 14.11.2019 às 10:24

Neste caso, sendo alguém que vive na rua... Para onde vai a correspondência por exemplo? Já alguém pensou que a prisão preventiva até pode ser um favor?

Paulo Baldaia fala de populismo, quando este texto é puro populismo. No entanto, para Paulo Baldaia, populismo é uma arma de arremesso, para mim também tem coisas boas porque não interpreto o conceito como este "jornalista" e outros tanto gostam de interpretar. Mas Paulo Baldaia, também já ele vive nos muros infestados deste país.
Imagem de perfil

De cheia a 14.11.2019 às 17:07

Não recebe correspondência! Nós é que não nos devíamos sentir bem com a convivência de quem nada tem, não existe!
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 14.11.2019 às 17:50

Isso já é outra história, José. Se esta senhora não abandonasse o filho, ou melhor, se o abandono não tivesse sido detectado, era mais uma anónima com a qual ninguém estaria preocupado. E aí aim, para mim a sua opinião já me faz sentido.

Um Abraço,
Imagem de perfil

De cheia a 14.11.2019 às 19:27

A justiça recusou a libertação, pedida pelos advogados.
Continuo a pensar que, para uma mãe abandonar ou matar um filho, tem de estar muito desesperada.
A sociedade devia fazer mais, para ajuda-los a saírem das ruas.

Um abraço

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D