Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

socieadeperfeita



Segunda-feira, 26.06.17

Não vale tudo!

Não vale tudo!

 

Lá, por, em breve, termos eleições, não vale tudo!

Senhor provedor da Santa Casa da Misericórdia

Tenha comiseração pela desgraça alheia

Já chega de fogo, um provedor não incendeia!

Não martirize mais a sua aldeia

Desmesurada ambição deveria dar cadeia

Um pio, a mentira, não semeia!

Senhores provedores políticos tenham misericórdia

DE quem tudo perdeu

E, o que se salvou, nas vossas bocas ardeu.

 

 

José Silva Costa

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por cheia às 22:34

Domingo, 18.06.17

Santos Populares

Os Santos Populares

 

Portugal deveria, em junho, encerrar

Para os Santos populares comemorar

Lisboa fecha a cidade para marchar

O Porto fecha o aerporto para, os balões, lançar

O resto do país não tem direito a ser feliz?

Não gastamos tudo em copos e gajas!

Guardamos uns cêntimos para comprar martelinhos

Para dar na cabeça dos vizinhos.

 

José Silva Costa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por cheia às 06:13

Quarta-feira, 14.06.17

O cheiro do lixo bancário

O lixo Bancário

 

Não se brinca com as empresas cotadas

Todos podem brincar com os contribuintes, que tudo pagam

Pagam a incompetência e o roubo

Já pagamos vinte e tal mil milhões de euros para os bancos

Mas, vamos pagar outro tanto, para o crédito mal parado

Enquanto noutros países admitiram que os bancos tinham problemas e tinham de ser resolvidos

Por cá, empenharam-se em negar a evidência

Presidente da República, Governador do Banco de Portugal e os Presidentes dos bancos afirmaram, que os nossos bancos eram sólidos, não tinham sido contaminados pela bolha do imobiliário, etc.

Os outros países, com a autorização do Banco Central Europeu, criaram os chamados veículos, onde carregaram o lixo, que tanto os incomodava

Nós, agora, queiramos fazer o mesmo, mas chegamos atrasados

Solução expedita, à portuguesa!

Emissão de uma garantia do Estado, para varrer o lixo dos bancos, cujo cheiro incomoda, penalizando os juros do dinheiro, que pedem

Assim, o crédito incobrável, de todos os bancos, será atado, com o lacinho cor-de-rosa, entregue no Ministério das Finanças, para que os contribuintes, mais uma vez, paguem a fatura

Este é o nosso triste fado: trabalhar de noite e de dia, para pagar, o que os ladrões roubam ao Estado.

 

José Silva Costa

 

 

V

Autoria e outros dados (tags, etc)

por cheia às 21:59

Domingo, 11.06.17

Conta e Tempo

CONTA E TEMPO
Deus pede estrita conta de meu tempo. E eu vou, do meu tempo, dar-lhe conta. Mas, como dar, sem tempo, tanta conta, Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?
Para dar minha conta feita a tempo, O tempo me foi dado, e não fiz conta. Não quis, sobrando tempo, fazer conta. Hoje, quero fazer conta, e não há tempo.
Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta, Não gasteis vosso tempo em passatempo. Cuidai, enquanto é tempo, em fazer conta!
Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo, Quando o tempo chegar, de prestar conta, Chorarão, como eu, o não ter tempo...

 

Escrito no século XVII, pelo Frade Franciscano António das Chagas (António Fonseca Soares) , um alentejano da Vidigueira, que veio a falecer em Torres Vedras.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por cheia às 22:12

Quinta-feira, 01.06.17

As crianças

Dia Mundial da Criança

 

A cada dois minutos, desaparece uma criança, na Europa!

Muitas dessas crianças fugiram da guerra

Quem é que consegue viver em países, sempre em guerra?

Casas desventradas, tudo destruído, com a vida sempre em perigo

Crianças que nunca desfrutaram do silêncio da paz

Milhões de crianças apanhadas nas redes da droga e prostituição

Não lhes chegava o trabalho infantil, onde trabalham noite e dia!

Fazendo artigos para grandes marcas, para os mais favorecidos

Que não se importam como foram produzidos

Preocupando-se, apenas, com o estar na moda

Que importância tem, que sejam maltratadas, exploradas!

Sem pais, sem tutores, expostas a todos os horrores

Crianças que nunca, para brincar, tempo, tiveram

São peças, nas engrenagens das diversas explorações

Aventuram-se a atravessar o mediterrâneo, em barcos sem condições

Ou, nele ficar, enterrando todos os sonhos, sem chegar à desejada Europa

Onde esperavam, solidariedade, encontrar, para a vida, em paz, amarem

Mais um dia mundial da criança!

Que, ao menos, sirva para tocar os nossos corações

Fazendo-nos olhar para tantas crianças, em aflições

Vagueando, perdidas, de olhos cheios de esperança

Esperando, que as suas dramáticas vidas, influenciem as nossas decisões.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por cheia às 06:35


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930