Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Simplex

por cheia, em 21.08.19

Simplex

Passar as férias nas filas dos Serviços Públicos!

Dormir às portas das Conservatórias do Registo Civil, do IMT, do SEF

Ter de pedir emprestados 500€, para ir, à Ilha da Madeira, tratar do atestado de residência, para não cair na ilegalidade

Não poder visitar a mãe, que estava doente

No mês de agosto devia estar tudo fechado!

Mas os bebés continuam a querer nascer aos fins-de-semana e no feriado

Mas o Serviço Nacional de Saúde funciona alternado

Num fim-de-semana não se pode nascer em Portimão

No outro em Faro, no seguinte, em Beja, fica fechado

Vivemos num país muito avançado

Onde os bebés, para nascerem, já deviam saber esperar pela sua vez

Porque é isso que os espera, durante a vida

Neste verão, como o tempo não está bom, para ir para a praia

As pessoas têm, para responder à burocracia, aproveitado

Dormindo às portas dos Serviços públicos, com o simplex, ao lado

Está tudo muito revoltado

Mas, os ministros dizem que está tudo dentro da normalidade

As pessoas é que insistem em aproveitar as férias para fazerem o que não devem

Se o país está parado!

Parem de ir aos Hospitais, Conservatórias, SEF, IMT

Não dá para irem para as praias!

Vão para os Centros Comerciais consumir, para não cairmos, de novo, na receção

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45

Chão de areia

por cheia, em 18.08.19

Chão de Areia

O litoral Sintrense, “onde a terra se acaba e o mar começa”

Chão de areia, do Farol da Roca a Magoito, beijado pelo mar

Amigo de quem o semear

Vinhedos, hortícolas, pomares, pinhais

Mas, morangos não há iguais

É nele que o ramisco se serpenteia

E quem não conhece?

As belas praias e a suave, areia.

A maçã raineta de Fontanelas

De todas a mais bela

Azenhas do Mar, onde os nossos olhos podem contemplar o mar

A sua Escola Primária, quase centenária

Inspirada na doutrina republicana

Cuja fachada está forrada a azulejos, encimados pelos das palavras: Escola Pública

Praia das Maçãs, onde pintores, poetas, músicos e políticos trocaram impressões

Almoçageme, com a Praia da Adraga, que já foi considerada uma das mais belas!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21

Verão cinzento

por cheia, em 11.08.19

Verão cinzento

 

Há nuvens negras, neste agosto cinzento

Há quem tenha de trabalhar

Todos os dias, de sol a sol, para angariar o sustento

Há quem viva à conta do Orçamento

Que busque, lá fora, o que não tem cá dentro:

Espetadores, porque as praias têm estado entregues ao tempo

Que tenha forçado um evento

Para uma exibição contra o momento

Que exemplo!

A política deveria ser um exercício exemplar

Mas, tornou-se num espetáculo nojento

Muito pouco compatível com este tempo

Em que, muitos povos, correm de um lado para o outro

À procura de segurança, pão, casa, paz

À procura de um coração que os abrace

À procura de um sítio onde nasça a esperança.

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26

Ajuste direto

por cheia, em 04.08.19

Ajuste direto

A Proteção Civil, desde a sua criação, ainda não acertou o passo

A incompetência tem tido muito espaço

Falsas declarações de habilitações

Provocaram algumas demissões

Compra, quase tudo, por ajuste direto, com a justificação de urgência imperativa, mesmo quando se trata da compra de esferográficas!

Devem ser esferográficas especiais

Para escrever textos geniais

Para espantar pardais

A lei obriga a abertura de concurso público, mas devido à urgência imperativa, compram tudo por ajuste direto

Por que razão não acabam com o ajuste direto?

Porque as negociatas têm urgência imperativa

Tanta, que obrigou à criação de uma lei exemplar!

Agora, muito famosa: a lei das incompatibilidades de 1995

Que em 24 anos nunca foi levada à letra

Foi uma lei para inglês ver

Para mostrar que, em Portugal, temos boas leis para prevenir a corrupção!

Mas, como a lei nunca foi aplicada

Chegámos a esta triste situação

O Governo a pedir à Procuradoria

Se a lei é para levar a sério, ou não!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:46

Há 50 anos

por cheia, em 14.07.19

Há 50 anos

 

A Lua não nasceu

A manhã não amanheceu

O Sol desapareceu

O país não dormiu

Desaguou no Cais da Rocha do Conde de Óbidos

O monstro estava atracado

Preso com grossas correntes

Com receio que fosse ao fundo

Com a ira daquela gente

Toda vestida de preto

Exceto os que iam embarcar

Os jovens não se queriam apartar

As mães apertavam os filhos, ao peito

Como se quisessem, de novo, esconde-los, no ventre!

Vinte anos a criá-los, para os perderem, para sempre

O monstro rugiu

O cais estremeceu

O Tejo encolheu

O Atlântico embraveceu

As mulheres olharam, para o céu

Desfaziam-se em lágrimas e gritos

Os seus filhos, maridos, irmãos, cunhados, sobrinhos, afilhados; afastaram-se

Os militares ocuparam os seus lugares

Para começarem a entrar, naquele que, para a morte, os ia levar

Não foram suficientes para o abarrotar

No dia seguinte aportou ao Funchal, na Ilha da Madeira

Também o Arquipélago da Madeira ficava sem a sua maior preciosidade

Os seus filhos!

Dali em diante, O Vera Cruz, estava em competição com a Apollo 11

Para ver quem chegava primeiro

Se ela à Lua, se ele a Luanda

Ela ganhou, por um dia.

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45

O momento!

por cheia, em 06.07.19

Na silhueta de quem traz a salvação

Oiço o barulho do clarão

Os lábios aceleram o bater do coração

Os olhos trocam mensagens de emoção

O sol e a lua já sabem a nossa reação

Vamos de encontro à sedução

Os corpos parecem um vulcão

Ardem como estrelas, sem solução

Amanhã consertamos o coração

Porque sem ele não há continuação

A vida pode esperar por outra estação

Nós é que não podemos perder a ocasião

De viver o amor desta paixão

Que arde como estrelas, sem solução!

José Silva Costa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:33

Padrinhos

por cheia, em 28.06.19

Padrinhos

 

A propósito, dos Ditos e Ditados Populares @ IX, que a Miluem, partilha, no Miluem.Blogs.Sapo.pt, lembrei-me de partilhar um, muito ouvido, na minha terra, quando uma pessoa recebe benefícios de outra, de hierarquia superior, na escala das classes sociais, que é: “quem tem padrinhos não morre mouro”

Não sei a origem! Mas, suponho que terá a ver com a Reconquista Cristã, fazendo com que alguns árabes procurassem converter-se ao Cristianismo. E. para isso, teriam de ter padrinhos.

José Silva Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:35

A princesa!

por cheia, em 23.06.19

Sintra

Sintra, a mais bela princesa do Atlântico

O deslumbrante encanto do romântico

Com beijos a pairarem por todas as fontes e recantos

Na mais bonita e fresca serra, deitada

Pelo Cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa, rodeada

Por todo o Mundo procurada e calcorreada

Por todos, muito falada, contemplada, admirada

Uma joia intemporal, onde muitos povos já adoraram o luar

À tua Serra, os Mouros, chamaram-lhe Monte da Lua

Nos chalés, nas ruas, atrás das cameleiras, casais de namorados

Faziam juras de amor eterno, no encanto do luar, ouvindo o mar

Os teus castelos e palácios estão impregnados de enredos e segredos

De rainhas, reis, princesas, príncipes, cortesãos, cavaleiros, concubinas

Por todo o lado, respiramos séculos de poder, intrigas e história

Aqui, podemos ver, como os monarcas queriam perpetuar a sua glória

Quem é que não quer eternizar a sua memória!

 

José Silva Costa

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:48

Granadas!

por cheia, em 20.06.19

Civismo

Somos um povo um pouco indisciplinado

Nem sempre cumprimos as regras

Poderíamos ser mais educados

Há, até, quem faça chacota dos que tentam cumprir!

Gostamos de desafiar as proibições

Não respeitamos as recomendações

Mesmo que haja passadeiras para peões

Atravessamos em qualquer lado, sem precauções

Quando acompanhados de crianças

Deveríamos dar, sempre, o exemplo

Infringimos as regras com o maior descaramento

Ultrapassamos os limites de velocidade

Seja na autoestrada, seja na cidade

Sempre ao telemóvel

Lemos as notícias e escrevemos mensagens ao volante

Vemos as fotografias no face-book, em andamento

Como se não estivéssemos a conduzir uma armam mortífera!

As estradas transformaram-se em granadas

Prontas a rebentarem a qualquer momento

Não temos tempo para nada, estamos sempre atrasados

Acelerados, arriscamos numa ultrapassagem, mal medida

Chocamos de frente, perdemos a vida, ou tiramo-la a outro

Ficamos numa cadeira de rodas, acabam-se todas as pressas!

Se não formos rigorosos, se não dermos o exemplo

Não contribuiremos, para um melhor comportamento

As estradas não podem continuar a ser um campo de batalha

Onde tudo é permitido e tudo falha.

José Silva Costa

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:07

Junho!

por cheia, em 16.06.19

Junho

O sol de Junho é diferente

Aquece-me a mente

Nasce cedo e põe-se tarde

Tem cheiro a verdade!

Já passou metade

O que é bom acaba depressa

Bebo-te de manhã à noite

Antes que arrefeças

Não creio em promessas

E, de políticos muito menos

Antes das eleições prometem tudo a todos

Mais Funcionários Públicos e aumentos

Para acomodar as raparigas e rapazes do partido

A dívida abaixo dos cem por cento do PIB

Prefiro o tempo!

Este Junho que nos levará ao Verão

Cujo calor amadurece o pão

Ver uma planície de trigo ondulante

Um rancho de ceifeiras trigueiras

A cantarem para espantar o calor

Pedirem ao aguadeiro, mais um cocharro de água

Porque o calor está insuportável

Desejando que a ceifa termine

Que chegue o dia da adiafa.

José Silva Costa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:01


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D