Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sonhos de verão!

por cheia, em 23.06.22

Sonhos de verão

Sonhamos com as férias, novas paisagens, novas cidades, gentes diferentes

Num encontro fraterno de beijos, abraços e apertos de mão

Há barcos parados nos cais, à espera que lhes soltem as amarras

Sonham com novos horizontes, querem as velas enfunadas pelos ventos

Os sonhos de verão são de alegria, de alguma magia, de desejos fugientes

Cada um procura lançar, ao mundo, as suas sementes

Os dias são grandes, sem espartilhos, quentes, de muito brilho

Um sonho, um desejo, um abraço, um beijo podem ser o rastilho

Para uma grande mudança, para muitos e bons passos de dança, para renovar a esperança

Até para mudar de continente, para seguir em frente, encontrar o amor, para sempre

Conhecer gente diferente, atraente, mais sol no poente, uma luz, um caminho com sentido

Um grito de liberdade, sem anos nem idade, preservar a alegria da mocidade

No verão é tempo de reflexão, de contabilizar o passado e projetar o futuro

De ler um livro maduro, ver uma peça de teatro, ver um filme e sonhar com tudo

Saborear o tempo, sem pressas nem compromissos, aproveitar a preguiça sem pensar em enguiços

A constante aceleração da maneira como gastamos o tempo, nas correrias diárias de deitar os bofes pela boca, fez com que não saibamos fazer uma pausa para meditar, para descansar completamente: “desligar da corrente”

Hoje, só procuramos mais velocidade, mais perigos e aventuras, desafios, adrenalina, torturas

Correr de um lado para o outro, na ansia de abarcar o mundo, depois, vai-se a ver e sentimos um vazio profundo

Não conseguimos contemplar o nascer do sol, o silêncio noturno na natureza, ouvir o cantar do rouxinol

Tanta coisa para absorver, que não conseguimos ver nem apreender por causa de andarmos sempre a correr

Por muito que corramos, não apertaremos todas as mãos, nem afugentaremos a solidão

Paremos para ver o que nos rodeia, a beleza da areia, onde enterramos os sonhos, quando, no verão, vamos a banhos

Temos mais um verão, para aproveitar, assim saibamos o que de melhor poderemos fazer.

José Silva Costa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

A praia!

por cheia, em 16.06.22

A Praia

No dourado do sol salgado, vejo o mar ondulado

Em cada onda vai o vento penteado

As gaivotas andam de lado em lado

Incomodadas pela invasão do seu chão sagrado

Quando os banhistas ocupam cada quadrado

O areal em pouco tempo ficou todo ocupado

Não há grão de areia destapado

As toalhas compõem o atoalhado

Namorados bebem o sol molhado

Como quem quer fugir a ser espiado

A areia tem um aspeto asseado

Já ninguém deixa lixo, na areia, enterrado

Todos têm cinzeiros para colocarem o cigarro, apagado

Como é bom termos um mundo educado!

Onde ninguém é mal tratado

Já todos sabem, das bandeiras, o significado

Até o nadador salvador é escutado e respeitado!

Com o mar devemos ter todo o cuidado

Ninguém pode, com ele, estar descansado

De um momento para o outro pode mostrar-se revoltado

Talvez não goste do que lhe fazem, fica zangado

Já me pregou um grande susto, ao ponto de pensar que ficava lá sepultado

Fui, por ele, com muita força, para o fundo, arrastado

Depois, expulsou-me com tanta violência, que fiquei magoado

Nunca mais me esqueci do recado

Nunca larguei o meu filho que, quando lhe deitei a mão ficou, nos meus braços, bem apertado

Tivemos a sorte do nosso lado!

Para podermos contar o que se tinha passado.

José Silva Costa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

SAntos Populares!

por cheia, em 09.06.22

Santos populares

Ruas embebedadas de fumo de sardinhas assadas

Manjericos com quadras e promessas de amor eterno

Quem quebrar o encantamento vai para o inferno

Alcachofras queimadas, para ver se o amor é correspondido (1)

Com as ruas apinhadas, os moradores acotovelam-se nas sacadas

Ninguém quer perder pitada das ruas engalanadas

Os estrangeiros ficam boquiabertos com as desgarradas

Participam nos bailaricos, não conseguem ficar indiferentes ao apelo daquelas gentes

Entram no ritmo, comem uma sardinha assada, bebem um copo de vinho tinto, e ficam contentes

No mês de junho, Lisboa não dorme, seja rico ou pobre, a noite é de folia

Até à noite de Santo António, todo o tempo é pouco para ensaiar as marchas

Na noite de Santo António as marchas são rainhas, nas outras são as sardinhas

Depois de tantos dias a treinar o ritmo, não há quem os pare

Vão continuar até ao fim do mês, até o São pedro lhes retirar a chave

Não perdem tempo, começam a pensar na marcha do próximo ano

As marchas são uma competição muito renhida

Pela qual são capazes de dar o pão e a vida

Lisboa é uma senhora muito bonita, esbelta, com grandes tradições e muito atrevida

Capaz de encantar e prender até o forasteiro mais esquivo

Com ela, quem não tiver juízo, fica para sempre preso ao seu umbigo

E vai calcorrear as suas colinas, todos os dias, como castigo

Quantos forasteiros, marinheiros, negociantes ficaram a ver navios, pelo postigo!

Sem possibilidades de, um dia, terem um jazigo

Com os olhos posto no panteão luzidio

Acabam por ficar nas ruelas ao vento e ao frio

Sem cheta para pagar a renda ao senhorio

Tem tantos encantos como perigos!

 

 

José Silva Costa

(1)

A alcachofra tem o poder de adivinhar a realização do casamento, devendo para isso ser queimada ou chamuscada na véspera do dia 24, à meia-noite, na fogueira de São João - "Em louvor de São João, para ver se fulano me quer bem ou não" - e deixada ao relento, enterrada num vaso. O casamento está garantido se a planta reflorir no dia seguinte. (Infopédia)

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Bem-vindo, Junho

por cheia, em 01.06.22

Junho

 

Junho, mês dos Santos Populares

Das marchas e dos manjericos

Dos arrais e dos petiscos

Da sardinha assada e bailaricos

Das férias, da praia e namoricos

Verão, calor, sabor a sal

Um mês de muito sol e alegria

Para receber o verão com toda a energia

Muita folia e magia nas noites quentes

Felizes dias e bons ambientes

Para regozijo das gentes

Mostrando que as sociedades recreativas estão vivas

Que as cidades não estão perdidas

As saudades continuam entretidas

Ao sabor das correrias das vidas

Tão disputadas pelas audienças

Tanta concorrência!

Não faltam bons eventos

O difícil é escolher

Um mês que convida ao lazer

O muito que os nossos olhos querem ver

A impossibilidade de tudo usufruir

As férias porvir

O cansaço já se está a sentir

O descanso demora a sorrir

O verão proporciona convívio e encontros

Matar as saudades e os amigos abraçar.

 

José Silva Cos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Maio

por cheia, em 27.05.22

Maio

Maio maduro maio

Sol quente raiado

Flores por todo o lado

Um perfume empoeirado

Sardinheiras no beirado do telhado

As abelhas no seu bailado

O sol chega à noite cansado

São muitas horas a aquecer o relvado

As manhãs acordam de peito inchado

A temperatura sobe ao sobrado

E o trânsito ficou bloqueado

Todos querem, nas praias, um bocado

O calor está muito torrado

Excedeu-se no bronzeado

O vento continua calado

Alguém tem de dar conta do recado!

O Orçamento será hoje aprovado

Com a maioria absoluta está tudo controlado

Está bastante atrasado

O do ano que vem já deveria estar a ser gizado

Mas, com tanta inflação não há antevisão

Não vale a pena fazer a previsão

Melhor seria fazer o Orçamento, para o próprio ano, depois do verão

Quando aquece o coração

E os aumentos dos ordenados e das pensões subirão acima de um tostão

Para fazer face ao aumento do pão

Para acabar com a contestação

Mas as greves continuarão!

José Silva Costa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Azovstal

por cheia, em 20.05.22

Resististe!

Mas a resistência também tem limites

Espero que haja humanidade

Mas dos dois lados

Há coisas !

que não se fazem

Mesmo que haja inimizades

Para, hoje, exigirmos

Temos de, ontem, ter dado o exemplo

Não podemos praticar a barbaridade

E, depois, esperar que os outros não a pratiquem

O extremismo nunca deu bom resultado

Nem de um, nem de outro lado

Espero que haja humanismo, mesmo para com o inimigo

A vingança será, para ambas as partes, um grande castigo

Quando estamos na mó de cima não nos podemos esquecer

Que um dia poderemos estar na mó de baixo

Por alguma razão dizem que somos racionais

Mas não deixámos de ser animais

O melhor seria nunca nos esquecermos que somos todos irmãos

Mesmo quando nos metem uma arma nas mãos

Acima de tudo está a razão

Nunca a devemos perder

Devemos de andar com ela pela mão

E nunca nos podemos esquecer

Que “toda gente é pessoa”

 

José Silva Costa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Dia da Mãe

por cheia, em 01.05.22

Dia da Mãe, de 2022

 

Mãe, mãe, mãe, mãe, mãe!

A mais bela e bonita flor

Aquela que pare o amor

Que suporta com sorriso a dor

Que me transmitiu o amor

Que me beijou como se fosse a única flor

Que partilhava a minha dor

Que transbordava de bondade e amor

Que me gerou quando ainda era tão menina

Que me deu à luz quando fez os seus verdes 18 anos

Mas que maturidade e serenidade!

Que não correspondiam à sua idade

Que me transmitiu uma inabalável confiança

Uma força e perseverança que me acompanham

Uma calma e tolerância

Nunca me acordou esperou sempre que acordasse

Uma paz que as vidas de hoje não permitem

Compensava a pobreza com beijos

Apesar disso, nunca demonstrou pensamentos negativos

Eram tão bonitos os seus sorrisos

 

Mãe, palavra tão doce, tão bonita, tão amorosa

Tão bonita rosa, tão perfumada flor, o mais puro amor

Mãe, palavra com tão doce sabor, a transbordar de amor

Tão doloroso gesto de dor, tudo suportado pelo amor

Mãe, a palavra mais pronunciada, a mais amada, a mais beijada

Tão gloriosa missão, a de ser mãe, que bonita e delicada mão

Aquela que segura a vida, que a guia, que todos os dias a rega até florir

Que ensina o sorrir, a boca a abrir, que embala o sono e sonho

Tudo ensina, em troca de nada, tudo o que quer é ver florir a vida

Mãe, palavra tantas vezes repetida, é luz, é esperança

Mãe, mãe, mãe querida, devo-te tudo, devo-te a vida!

 

Um dia muito feliz para todas as Mães!

 

José Silvas Costa

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

43,5% de pobres!

por cheia, em 25.04.22

25, de Abril de 2022

 

Depois de 48 anos de democracia, esperávamos ter um país mais desenvolvido

Continuamos com as inaceitáveis desigualdades, em que uns tem tudo e outros não têm nada

Um litoral superlotado e um interior desertificado, deserdado, abandonado, desaproveitado

Onde não chegam as telecomunicações: as autoestradas do presente e do futuro

Neste quase meio século ainda não apareceu um governante capaz de derrubar o muro

Só governam para as sondagens e para o presente, não têm ambição, nem solução para o dia duro

A pobreza continua a condenar-nos à tristeza. Antes de qualquer transferência social, em 2020, tínhamos 4,48 milhões de portugueses (43,5%) em risco de pobreza

Quase metade da população em risco de pobreza: é muita pobreza!

Todos os governantes, que tiveram responsabilidades nestes resultados, devem sentir-se muito envergonhados

Quase todos os governantes, nos discursos do ato de posse, dizem que vão ter em atenção os mais desfavorecidos, mas nunca mais se lembram deles

Nos momentos de reconhecimento dos méritos nunca aparece um pedreiro, um carpinteiro, um mecânico, um varredor, um condutor  …………….., só  os engenheiros e  doutores é que têm mérito

Um país, cada vez mais desequilibrado, onde os ricos estão mais ricos e os pobres mais pobres

E, isso é revoltante, criaram o Ministério da Coesão, que não passa de um chavão, mais uma ilusão, para enfeitar a governação

Os Municípios ricos estão a criar transportes públicos gratuitos, a equipar as escolas com novas tecnologias, com quadros interativos, enquanto as escolas, dos outros, continuam com os quadros pretos e sem transportes públicos gratuitos

É esta a regionalização, que o referendo reprovou, mas que este Governo está a implementar à força. Agora, sem a colaboração de qualquer outro partido, devido à maioria absoluta

Política e futebol, uma mistura que gera corrupção, se faltassem exemplos, bastava o de Luís Filipe Vieira, cuja falência das suas empresas já nos custou 290 milhões de euros, através do fundo de resolução do BES

Um país, onde o futebol é mais importante que a educação. Quantos professores veem o seu mérito reconhecido?

Ainda não foi desta que Portugal se tornou num país solidário e desenvolvido

Nem com tantos milagres conseguimos vencer o castigo.

José Silva Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00

Tomilho!

por cheia, em 09.04.22

Tomilho

Com o tomilho, termino a transcrição desta publicação da Direção Geral da Saúde, cujo fim foi dar a conhecer as ervas aromáticas & similares, utilizações e propriedades, no sentido de contribuir para a redução do consumo do sal. Assim termino com a primeira e última páginas.  

 

 

ERVAS AROMÁTICAS & SIMILARES As ervas aromáticas ou ervas-de-cheiro são plantas, geralmente de pequenas dimensões, que apresentam diversas utilizações e propriedades. Devido à sua composição nutricional e funções que desempenham na saúde, as ervas aromáticas são um excelente substituto do SAL, conferindo sabores, aromas e cor às refeições. A utilização de ervas aromáticas na redução da ingestão de sal na dieta poderá influenciar dupla e positivamente a saúde, quer pela redução da quantidade de sal nos alimentos, quer pelas propriedades benéficas que apresentam para a saúde. No entanto, para manterem as suas propriedades, as ervas só devem ser adicionadas aos alimentos no fim da sua preparação, uma vez que a maioria das suas propriedades é perdida pela ação do calor. São muito utilizadas em saladas, sopas, marinadas, carnes, peixes, chás, compotas, entre outros. As ervas aromáticas são fornecedoras de proteínas, vitaminas (A, C e complexo B), minerais (cálcio, fósforo, sódio, potássio e ferro), fibras, componentes voláteis (óleos essenciais) e substâncias fitoquímicas (substâncias bioativas presentes nas plantas em pequenas quantidades, que atuam como antioxidantes, bactericidas, antivírus, fitoesteróis e indutores ou inibidores de enzimas). Vários estudos indicam que as substâncias fitoquímicas parecem ser as responsáveis pelas propriedades atribuídas às ervas aromáticas, nomeadamente: prevenção do aparecimento de cancro, funcionamento cardiovascular, reprodutivo e nervoso e ainda como estimulante do sistema digestivo e potenciador do sistema imunitário. Muitas ervas aromáticas são conhecidas como excelentes fontes de antioxidantes naturais, podendo contribuir para a ingestão diária de antioxidantes. Os compostos fenólicos são os antioxidantes primários presentes nas ervas aromáticas (orégão, tomilho, manjerona, sálvia, manjericão, funcho, coentro) Normalmente, na cozinha, as ervas aromáticas são utilizadas frescas, mas são também comercializadas secas, embora percam algumas propriedades. De qualquer modo, não devem confundir-se com as especiarias, que são em geral utilizadas secas e, muitas vezes, reduzidas a pó.

                                                   Tomilho

O tomilho é um pequeno arbusto (altura de 20 a 30 cm), com poucos ramos, cujas folhas são inteiras, pequenas, de forma oval, tendo juntamente com os caules, odor parecido ao da hortelã. Da sua composição nutricional destacam-se as vitaminas do complexo B, vitamina C e o magnésio. Propriedades terapêuticas Digestivo, anti-inflamatório, expetorante (ajuda a limpar as vias respiratórias). Usos culinários Receitas de aves e caça, preparação de molhos, sopas, saladas, guisados/estufados, pratos com tomate e queijo. Bom substituto do SAL.

 

 

Tomilho.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:05

Segurelha!

por cheia, em 08.04.22

 

 

Segurelha.gifSegurelha

Propriedades terapêuticas Propriedades anti-sépticas, fungicidas, anti-diarreicas e
anti-virais. É muito utilizada para combater inflamações
das vias respiratórias, gases e cólicas, inflamações
cutâneas (otites, estomatites, vaginites, queimaduras).
Usos culinários Temperar saladas, carnes, sopas, leguminosas, batata e
cenoura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D